Após show, Obama se diz esperançoso com o futuro dos EUA

Ele agradeceu os artistas por 'lembrar-nos, por meio de palavras e canções, o que é que amamos nos EUA'

AP,

18 de janeiro de 2009 | 20h08

Bruce Springsteen e um coral gospel fizeram a abertura de um concerto em antecipação à posse do presidente eleito Barack Obama, no Memorial de Abraham Lincoln, em Washington. A multidão irrompeu em aplausos quando Obama e sua mulher, Michelle, chegaram, descendo os degraus do memorial, e continuou a aplaudir durante o show de Springsteen e nas performances que se seguiram.   Obama discursa após show que abriu os quatro dias de celebração de sua posse. Foto: AP   Não houve tapete vermelho, mas a sensação era de uma premiação de Hollywood, com astros subindo ao palco para elogiar, cantar e até imitar o próximo presidente.   Obama depois agradeceu aos artistas por "lembrar-nos, por meio de palavras e canções, o que é que amamos nos Estados Unidos".   "A despeito da enormidade da tarefa adiante, eu estou aqui, hoje, mais esperançoso do que nunca de que os Estados Unidos da América perdurarão, que o sonho de nossos fundadores viverá em nossa época", disse o presidente eleito, ao final do concerto que teve U2, James Taylor, Springsteen e outros astros. Beyoncé fechou a apresentação cantando America The Beautiful, com os demais artistas e a plateia fazendo coro.   Uma multidão que, esperava-se, chegaria a meio milhão de pessoas espalhou-se para além do espelho d'água que separa o Memorial Lincoln do Monumento a Washington.   Bruce Springsteen e Beyoncé, junto a outros artistas que tocaram na homenagem. Foto: AP   Obama, sua mulher e as filhas, e o vice-presidente eleito Joe Biden e sua mulher, Jill, sentaram-se atrás de um painel de vidro blindado perto do palco erguido nos degraus do memorial.   O concerto começou com Springsteen, vestido de preto, cantando The Rising com a ajuda de um coral. A canção ficou mais conhecida como um chamado à ação depois dos atentados de 2001.

Tudo o que sabemos sobre:
obama

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.