Arrecadação eleitoral dos EUA supera PIBs africanos

Campanhas de pré-candidatos podem chegar a arrecadar até US$ 1 bi; 93% da verba é gasta na disputa

Reuters,

26 de março de 2008 | 11h59

A oito meses da eleição presidencial norte-americana, os candidatos já arrecadaram quase US$ 1 bilhão para suas campanhas, o que significa uma quantia superior ao Produto Interno Bruto (PIB) de vários países africanos. A disputa excepcionalmente longa desta vez - que já dura mais de um ano - acaba movimentando mais dinheiro, especialmente entre os democratas, que estão superando todos os recordes.   Veja também: Hillary critica Obama por ligação com pastor de polêmica racista Confira a disputa em cada Estado Conheça a trajetória dos candidatos Cobertura completa das eleições nos EUA    Mesmo ficando para trás, os republicanos somam dezenas de milhões de dólares e ainda têm bastante tempo para arrecadar mais até a eleição de 4 de novembro. Entre janeiro de 2007 e fevereiro de 2008, os candidatos arrecadaram conjuntamente US$ 814 milhões. Até o final deste mês, segundo analistas, a soma deve atingir US$ 1 bi.   "Os EUA estão realmente dando um grande passo à frente em termos de gastos nas suas eleições", disse Steve Weissman, do Instituto de Finanças de Campanha, entidade de pesquisas ligada à Universidade George Washington. Weissman disse que os três principais candidatos -o republicano John McCain e os democratas Barack Obama e Hillary Clinton - estão arrecadando juntos pelo menos US$ 100 milhões por mês, e gastando até 93% do que arrecadam.   Para efeito de comparação, sete países africanos (São Tome e Príncipe, Guiné-Bissau, Gâmbia, Comores, Seicheles, Libéria e Djibouti) têm individualmente um PIB inferior a US$ 1 bi, segundo dados do Fundo Monetário Internacional (FMI). Embora tenham o cuidado de não criticar o processo político norte-americano, algumas pessoas em entidades humanitárias citam possíveis usos para tanto dinheiro.   Uma funcionária da ONG internacional Care disse que mesmo uma parte da verba arracadada poderia ajudar dezenas de milhões de necessitados. "US$ 150 milhões adicionais poderiam garantir que 10 milhões de meninas recebessem uma educação de qualidade. E US$ 150 milhões adicionais podem ajudar a garantir uma gravidez e partos seguros para 30 milhões de mulheres em 10 países", disse Deborah Neuman, vice-presidente-sênior de desenvolvimento de recursos da Care.   Mas Neuman disse que é importante que haja investimentos no sentido de tornar os norte-americanos mais participativos no processo político. Mesmo assim, "é preciso procurar dólares e dar espaço nas doações filantrópicas das pessoas a causas como a nossa e a luta contra a pobreza," afirmou ela.

Tudo o que sabemos sobre:
eleições nos EUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.