Assessor de Obama ataca política internacional de Hillary

Campanha do senador iguala postura e argumentos da ex-primeira-dama com os do republicano John McCain

Reuters,

07 de março de 2008 | 11h16

A política internacional de Hillary Clinton seria uma repetição da fracassada abordagem republicana, disse na quinta-feira, 6, um assessor da campanha de Barack Obama, numa intensificação dos ataques à ex-primeira-dama após os resultados desta semana na corrida pela candidatura democrata à Presidência.   Veja também: Obama e Bush 'brigam' ao som de mariachis no YouTube Obama encerra fase "paz-e-amor" e joga duro  Confira a disputa em cada Estado Conheça a trajetória dos candidatos Cobertura completa das eleições nos EUA    Hillary, que reanimou sua sofrida campanha com vitórias na terça-feira em Texas, Ohio e Rhode Island, tem atacado Obama no tema segurança nacional, retratando-o como alguém muito inexperiente para lidar com uma crise mundial.   O senador John McCain, o pressuposto candidato republicano e ex-prisioneiro de guerra no Vietnã, tem uma fala parecida contra Obama. Mas assessores de Obama aproveitaram os ataques simultâneos para acusar a senadora por Nova York de "alinhar-se com o Senador McCain".   "Acho que a senadora Clinton acredita que o caminho para vencer McCain em um debate é falar como ele fala, agir como ele age e votar como ele vota na questão da segurança nacional", disse o consultor de Obama, Greg Craig, em uma teleconferência com jornalistas. "Acreditamos que, no passado, os democratas perderam os debates sobre segurança nacional para os republicanos por essas razões."   As derrotas de Obama na prévias dos Estados de Texas e Ohio encerraram uma seqüência de triunfos do senador de Illinois. Como conseqüência, o pré-candidato expressou sua frustração com o que chamou de uma campanha "muito negativa" de Hillary, e prometeu revidar com mais intensidade os ataques da adversária. Muitos analistas políticos acham que o comercial que Clinton lançou na televisão, falando de segurança pública, foi bem sucedido em levantar dúvidas sobre Obama.   A propaganda mostra crianças dormindo e um telefone vermelho tocando na Casa Branca, enquanto um narrador nefasto afirma: "São 3h da manhã, e seus filhos dormem em segurança. Mas há um telefone na Casa Branca e ele está tocando. Algo está acontecendo no mundo". O narrador então pergunta se a pessoa que vai atender o telefone já foi "testada" o suficiente para manter a América em segurança.   Na teleconferência, Craig disse que Clinton "se alinhou" com John McCain em alguns temas específicos, como confiar demais no presidente paquistanês Pervez Musharraf e apoiar uma emenda legislativa para aumentar a pressão sobre o Irã. Mas a campanha de Clinton rebateu, dizendo que estes comentários destoam do histórico da senadora.   "Distorcer o histórico de Hillary não vai mudar as dúvidas dos eleitores quanto ao preparo de Barack Obama para ser comandante em chefe", disse o porta-voz da campanha de Clinton, Phil Singer.

Tudo o que sabemos sobre:
eleições nos EUAHillary Clinton

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.