Assessor de Obama se desculpa por brincar com foto de Hillary

Futuro diretor de discursos é flagrado no Facebook com imagem fazendo piada com a ex-primeira-dama

Efe,

06 de dezembro de 2008 | 10h04

A campanha eleitoral de Barack Obama se caracterizou por tirar o máximo proveito das novas ferramentas de relacionamento social da inter, mas uma delas, o Facebook, trouxe problemas para um funcionário do presidente eleito dos Estados Unidos.   Veja também: Obama promete grande investimento em infra-estrutura Obama preenche novo gabinete em tempo recorde Temendo trote, congressista desliga telefone na cara de Obama O gabinete do presidente eleito   O futuro diretor de Discursos da Casa Branca, Jon Favreau, possuía, como muitas pessoas, uma série de fotografias pessoais em sua página no site. Depois de sua nomeação ter sido anunciada, ele apressou-se a retirar as imagens e deixar apenas uma para seu perfil. Infelizmente para ele, já era tarde demais. Durante duas horas, afirma o jornal The Washington Post em seu site, esteve disponibilizada uma foto de uma festa recente nas quais Favreau, de 27 anos, aparece dançando com uma silhueta de tamanho natural da ex-adversária de Obama nas primárias, Hillary Clinton.   Na segunda foto, um amigo oferece uma cerveja aos lábios da senadora, enquanto Favreau coloca a mão em um dos seios da futura secretária de Estado de Obama. Um porta-voz da equipe de transição de Obama indicou que o diretor de Discursos pediu desculpas à senadora. Entre a equipe de Hillary, no entanto, a piada parece ter sido recebida com bom humor.   O assessor da senadora Philippe Reines afirmou que as fotos servem para demonstrar que as antigas rivalidades são uma coisa do passado. "A senadora tem prazer em informar sobre o evidente interesse de Jon no Departamento de Estado e está revisando sua solicitação", comentou Reines.

Tudo o que sabemos sobre:
eleições nos EUAHillary Clinton

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.