Assumo candidatura com confiança, diz John McCain

Ao vencer mais 4 prévias, senador garantiu o número de delegados necessário para ser o candidato republicano

Efe,

05 de março de 2008 | 02h37

O candidato republicano às eleições presidenciais dos Estados Unidos, John McCain, disse nesta terça-feira, 4, se sentir com a "confiança, a unidade e o sentido de responsabilidade necessário" para as eleições de novembro. Veja também:Hillary vence prévias democratas de Ohio e Rhode Island John McCain consegue a nomeação presidencial republicanaBarack Obama tem vitória fácil em Vermont"Exército" luta por Barack Obama em Ohio Confira a disputa em cada Estado Conheça a trajetória dos candidatos Cobertura completa das eleições nos EUA   Em discurso pronunciado em Dallas, no Texas, estado que lhe deu o número de delegados necessário para ser proclamado candidato na convenção de seu partido em setembro, afirmou que assume esta candidatura com "responsabilidade e agradecimento". "Agora começa a parte mais importante da campanha", disse McCain, que deve receber nesta quarta-feira, 5, o respaldo oficial do presidente dos Estados Unidos, George W. Bush. Após suas vitórias nesta terça-feira no Texas, Vermont, Ohio e Rhode Island, McCain recebeu uma ligação do senador democrata Barack Obama, que mostrou sua confiança em que ele será o escolhido para disputar as eleições de novembro com o senador pelo Arizona. McCain, que estava acompanhado por sua esposa, Cindy, afirmou que estava agradecido pela oportunidade de lutar pela Presidência do país, e lembrou que somente há alguns dias havia "incrédulos" que achavam que sua "proclamação como candidato era improvável". "Nunca achei que estava predestinado a ser presidente, ninguém está. Mas devo a meu país cada oportunidade que me deu na vida. Os EUA me deram mais do que eu posso lhe oferecer". Assegurou que no restante da campanha afrontará "as preocupações dos americanos", e fez alusão à situação econômica no país, à Guerra do Iraque, e aos tratados comerciais com outros países. Prometeu apoiar a iniciativa empresarial, com baixos impostos e menos regulações, e se comprometeu a estimular o uso e desenvolvimento das energias alternativas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.