David Joles/Star Tribune via AP
David Joles/Star Tribune via AP

Ataque a tiros deixa ao menos um morto e quatro feridos em Minnesota, nos EUA

Um suspeito foi detido na cidade de Buffalo; segundo um jornal local, uma explosão ocorreu logo após o tiroteio

Redação, O Estado de S.Paulo

09 de fevereiro de 2021 | 16h00
Atualizado 09 de fevereiro de 2021 | 22h51

BUFFALO, Minnesota – Um homem de 67 anos insatisfeito com os cuidados de saúde que recebeu abriu fogo em uma clínica nesta terça-feira, 9, matando uma pessoa e ferindo outras quatro.

Todas as cinco vítimas foram levadas às pressas para o hospital, e uma porta-voz do hospital confirmou a morte na noite desta terça-feira. Três pacientes permaneceram estáveis ​​mas em estado crítico e um quarto teve alta.

O ataque aconteceu na terça-feira de manhã em uma clínica Allina em Buffalo, uma comunidade de cerca de 15 mil pessoas a cerca de 64 quilômetros a noroeste de Minneapolis. As autoridades disseram que Gregory Paul Ulrich, de Buffalo, abriu fogo na instalação e foi preso antes do meio-dia.

Embora a polícia tenha dito que era muito cedo para dizer se Ulrich tinha como alvo um médico específico, os registros do tribunal mostram que a certa altura ele foi obrigado a não ter contato com um homem cujo nome coincide com o de um médico da clínica.

Enquanto as autoridades vasculhavam a clínica em busca de mais vítimas, eles encontraram um dispositivo suspeito e esvaziaram o prédio, disse o xerife do condado de Wright, Sean Deringer.

Não ficou claro se o dispositivo explodiu, mas imagens de TV mostraram várias janelas de vidro quebradas na clínica. Deringer disse que dispositivos suspeitos também foram encontrados em um motel Super 8, local onde Ulrich estava hospedado, e havia pelo menos duas janelas quebradas lá também.

O chefe de polícia Pat Budke ficou emocionado e teve que fazer uma pausa durante uma entrevista coletiva enquanto dizia aos repórteres "nosso coração se parte como comunidade". Embora o motivo exato não seja conhecido imediatamente, Budke disse que Ulrich tem uma longa história de conflito com clínicas de saúde na área.

"Tudo o que posso dizer é que é uma história que se estende por vários anos e certamente há uma história de ele estar insatisfeito com os cuidados de saúde que recebeu", disse Budke. /AP

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.