Barack Obama planeja 'fim de Guantánamo'

Presos serão libertados, julgados pela Justiça comum ou por tribunal especial

BBC Brasil,

11 de novembro de 2008 | 11h51

Detalhes dos planos do presidente eleito dos Estados Unidos, Barack Obama, para a controversa prisão de Guantánamo foram divulgados nesta segunda-feira, 11, e mostram que o novo presidente pretende lançar um esforço logo no início do mandato para reduzir o número de detentos.   Veja também: Obama planeja julgar presos de Guantánamo nos EUA   Principais desafios de Obama Nomes cotados para o gabinete de Obama Quem são os eleitores de Obama   Trajetória de Obama  Cobertura completa das eleições nos EUA     De acordo com o correspondente da BBC em Washington Justin Webb, Obama estaria pensando em entregar à justiça americana comum parte dos prisioneiros que estão hoje na prisão em Cuba e são acusados de ligação com grupos extremistas. Outra parte dos detentos também poderia ser libertada e outros, que não poderiam ser julgados em público por questões de segurança nacional, seriam encaminhados a um novo tribunal a ser criado especialmente para eles.   Obama já havia indicado durante a campanha que pretendia fechar a prisão e a descreveu como um "triste capítulo na história americana". Ativistas há muito criticam o governo americano por manter a prisão e pedem seu fechamento, alegando que os direitos humanos dos detentos são violados.   Em agosto, tribunais militares especiais começaram a julgar alguns dos cerca de 250 prisioneiros detidos em Guantánamo, muitos dos quais permanecem há anos atrás das grades sem nunca terem sido formalmente indiciados. Em 6 de agosto, o iemenita Salim Hamdan, ex-motorista do líder da Al-Qaeda, Osama Bin Laden, se tornou o primeiro condenado por um tribunal do tipo. Em novembro, foi a vez do "secretário de mídia" de Bin Laden, Ali Hamza Al-Bahlul, ser condenado em um tribunal semelhante. Entre 60 e 80 dos prisioneiros mantidos em Guantánamo já enfrentaram ou deverão enfrentar julgamentos militares. Aqueles que não forem julgados por esses tribunais, por falta de provas, estão sujeitos a ficar presos por tempo indeterminado sem julgamento.   O secretário de Defesa americano, Robert Gates, já disse que gostaria que a prisão de Guantánamo fosse fechada algum dia e que os julgamentos fossem transferidos para os Estados Unidos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.