Bill Clinton diz que fará o possível para eleger Obama

Por meio de porta-voz, ex-presidente dos EUA faz o seu primeiro apoio formal ao ex-rival de Hillary na disputa

Associated Press,

24 de junho de 2008 | 12h18

O ex-presidente Bill Clinton afirmou nesta terça-feira, 24, que fará o possível para garantir que o senador Barack Obama será o próximo presidente dos Estados Unidos. Por meio de seu porta-voz, Matt McKenna, Clinton fez sua primeira manifestação de apoio ao candidato democrata.   Veja também: Conheça a trajetória dos candidatos Cobertura completa das eleições nos EUA    Segundo McKenna, o marido de Hillary Clinton, rival de Obama nas prévias do partido, está "comprometido em fazer o que puder e o que for pedido para assegurar que o senador Obama será o próximo presidente". Ainda não está claro o que Obama poderia solicitar ao ex-presidente. Porém, segundo, Bill Burton, porta-voz de Obama, Clinton terá "um grande papel" na unificação do Partido Democrata.   Bill Clinton foi um dos líderes democratas que mais criticou Obama durante a disputa com a sua mulher. A relação entre os dois ainda é fria, e segundo seus simpatizantes, eles não se falaram desde o fim das primárias.   Clinton não participará do comício de sexta-feira, quando Obama e Hillary dividirão o palco em New Hampshire. Segundo McKenna, o ex-presidente estará na Europa para a celebração do aniversário de 90 anos de Nelson Mandela. O comício será a primeira aparição dos ex-rivais juntos desde o fim da disputa interna democrata.   Na quinta-feira, Obama e Hillary terão um encontro privado em um evento em Washington com doadores de campanha da senadora por Nova York. Hillary apresentará o senador por Illinois a seus patrocinadores, que por enquanto não se apressaram em apoiá-lo.   A senadora suspendeu sua campanha pela indicação democrata no início deste mês, após Obama assegurar o número de delegados suficiente para garantir a nomeação. Um porta-voz de Hillary garantiu que ela pedirá a seus partidários que apóiem Obama "com tudo."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.