Brown é acusado de violar neutralidade ao elogiar Obama

Em artigo, primeiro-ministro afirma que democrata oferece as melhores soluções para a economia americana

Efe,

10 de setembro de 2008 | 06h59

O primeiro-ministro do Reino Unido, Gordon Brown, foi acusado de violar o pacto de neutralidade das eleições presidenciais nos Estados Unidos ao elogiar o candidato democrata, Barack Obama. A oposição conservadora britânica pediu ao líder trabalhista explicações por um artigo que escreveu na revista "Parliamentary Monitor", no qual afirmava que Obama e o Partido Democrata oferecem as melhores soluções aos problemas econômicos enfrentados pelos americanos. Um membro da equipe do candidato republicano, John McCain, entrou em contato com a Embaixada do Reino Unido em Washington para expressar sua preocupação com o artigo, informa nesta quarta-feira, 10, a BBC. Em seu artigo, Brown assinalava que os líderes progressistas como ele mesmo e seus equivalentes nos Estados Unidos, Austrália e Nova Zelândia eram os mais indicados para enfrentar a crise econômica mundial. "Na campanha presidencial americana, os democratas podem ter mais idéias para ajudar o povo neste momento difícil", escreveu Brown, que elogiou o fundo proposto por Obama para ajudar as famílias que correm risco de despejo. O responsável de Assuntos Exteriores britânico, William Hague, reprovou o artigo de Brown, e disse que "um primeiro-ministro deve poder trabalhar com qualquer dos candidatos presidenciais após as eleições nos Estados Unidos, e não assumir uma posição ou passar essa impressão". O que parece uma tentativa de Brown de vincular-se a Obama é uma violação do princípio no qual os primeiros-ministros britânicos mantêm uma posição de neutralidade durante as campanhas eleitorais nos EUA. Fontes de Downing Street, escritório do primeiro-ministro, tentaram minimizar a situação e negaram que Brown favorecesse Obama em relação a seu rival republicano. "Como deixou claro em outras ocasiões, Brown considera que os americanos são responsáveis por eleger seu presidente, e ele pretende trabalhar com qualquer um deles em uma série de assuntos de interesse mútuo", disseram as fontes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.