Brown se reúne com Hillary, Obama e McCain em Washington

Em visita aos EUA, premiê britânico conversa cerca de 45 minutos com cada candidato à Presidência americana

Efe,

17 de abril de 2008 | 18h48

O primeiro-ministro do Reino Unido, Gordon Brown, se reuniu nesta quinta-feira, 17, em Washington, com o candidato republicano à Presidência dos Estados Unidos, John McCain, e os dois senadores que disputam a candidatura democrata à Casa Branca, Hillary Clinton e Barack Obama.   Veja também: McCain equilibra disputa com democratas, revela pesquisa Hillary e Obama admitem erros em debate na Pensilvânia Confira a disputa em cada Estado Conheça a trajetória dos candidatos Cobertura completa das eleições nos EUA      As conversas com os candidatos, cada uma das quais durou cerca de 45 minutos, aconteceram na casa do embaixador britânico e antecederam o encontro de Brown com o chefe de Estado americano, George W. Bush - um sinal de que ambos os governos estão se preparando para o que acontecerá em janeiro, quando assume o novo presidente dos EUA.   Segundo o porta-voz da Casa Branca Tony Fratto, os dois governos consideram "uma boa idéia que o primeiro-ministro vá conhecendo" aqueles que podem se tornar o próximo presidente. Durante as reuniões, Brown pôde saber mais dos candidatos e ter uma idéia de quais poderão ser as mudanças na política americana a partir do próximo ano.   Entre os assuntos tratados, estiveram o Iraque e a economia mundial, temas que também vão ser abordados com Bush. Segundo a Casa Branca, o presidente e o premiê, que conversarão por mais de uma hora, falarão ainda sobre o Oriente Médio, o combate ao terrorismo e a luta contra a proliferação nuclear.   Brown, que substituiu Tony Blair no ano passado, é um grande admirador dos EUA, mas não conseguiu manter a mesma relação amistosa que seu antecessor tinha com Bush. O primeiro-ministro do Reino Unido, cuja popularidade em seu país é de 28%, também não ganhou a simpatia dos americanos, como Blair havia conseguido.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.