Campanha dá crédito a McCain por acordo no Congresso

Mitt Romney,ex-rival por nomeação, afirma que participação do senador foi vital na proposta para o fim da crise

Agências internacionais,

29 de setembro de 2008 | 12h42

A equipe de campanha do candidato republicano à Casa Branca, John McCain, atribuiu aos republicanos o crédito pelo acordo no Congresso para o bilionário plano de resgate financeiro para a economia que deve ser voltado nesta segunda-feira, 29, embora os democratas tenham assegurado que as intervenções dos rivais não auxiliaram em nada no debate. Segundo a AFP, Mitt Romney, ex-rival de McCain pela nomeação, afirmou que o acordo não teria acontecido sem McCain.   Veja também: Obama tem 8% de vantagem sobre McCain Crise financeira e política externa dominam debate Obama x McCain Entenda o processo eleitoral   Cobertura completa das eleições nos EUA    "Este plano não teria chegado a um acordo se não fosse por John McCain", afirmou Romney para a emissora NBC. "Isso não significa que ele seja o único, há muita gente que foi vital" para o acordo. Líderes dos partidos Republicano e Democrata no Congresso dos Estados Unidos chegaram neste domingo a um acordo sobre o texto do pacote de US$ 700 bilhões para socorrer o setor financeiro.   Os congressistas fecharam um acordo sobre detalhes do projeto, que tem mais de cem páginas e modifica pontos do plano original apresentado pelo governo, depois de negociações que se estenderam por todo o final de semana. Segundo a BBC, a previsão é de que o plano seja votado na Câmara dos Representantes nesta segunda-feira e chegue ao Senado até quarta-feira. Tanto McCain como o seu rival na disputa, Barack Obama, rechaçaram um plano sem condições de gasto do Tesouro americano.   O presidente da Comissão Bancária do Senado, Christopher Dodd, afirmou para a mesma emissora que esteve em contato permanente com Obama durante as discussões. "Com toda honestidade, o chamei várias vezes, mas sugerir que os candidatos à Presidência ajudaram aqui é um exagero", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.