Candidatos à presidência dos EUA buscam votos em espanhol

McCain e Obama redobram esforços para atrair o crucial eleitorado hispânico com anúncios em espanhol

Efe e Ansa,

07 de julho de 2008 | 17h33

Os anúncios em espanhol se transformaram na última frente da guerra pela Casa Branca entre o republicano John McCain e o democrata Barack Obama, que redobram nesta semana seus esforços para atrair os votos hispânicos. "Meu companheiro de quarto queria ser presidente quando esteve na Academia Naval", diz o último anúncio radiofônico de McCain, onde Frank Gamboa, que dividia um quarto com o senador, elogia o grande compromisso do republicano com os latinos.   Veja também: Obama x McCain  Conheça a trajetória dos candidatos Cobertura completa das eleições nos EUA    "O outro candidato", como Gamboa descreve Obama, "acaba de descobrir a importância do voto hispânico". A declaração pôs a campanha do senador por Illinois em pé de guerra, que lançará na próxima semana uma série de anúncios eleitorais para os hispânicos.   "Temos uma agressiva campanha publicitária prevista antes da convenção" do Partido Democrata, que será realizada em agosto em Denver, Colorado, disse James Aldrete, responsável pela elaboração dos anúncios destinados aos latinos na campanha do democrata.   De acordo com Lionel Sosa, assessor publicitário de McCain para o eleitorado hispânico, a forte ofensiva demonstra "a grande importância do voto latino nestas eleições."   Os latinos representam cerca de 9% do eleitorado americano, segundo o Censo do país. O papel desses votos é reforçado por sua concentração em Estados considerados fundamentais para o pleito de 4 de novembro - cerca de 65% dos eleitores hispânicos moram na Califórnia, Texas, Nova York e Flórida.   A presença do grupo também é notória em outros Estados como o Novo México, onde há mais de 500 mil latinos registrados para votar, o que equivale a 38% do total de eleitores do Estado. No Texas, o índice é de 25%; na Califórnia, 23%; no Arizona 17% e na Flórida, 14%. Além disso, o eleitorado latino também é uma força política importante no Colorado e Illinois.   No pleito de 2004, o presidente George W. Bush pôde derrotar seu rival democrata John Kerry em Estados como o Novo México graças ao respaldo que obteve dos latinos.   Os comerciais de Obama buscam explicar melhor quem é o senador afro-americano aos latinos. "Nossa intenção é explicar melhor sua trajetória e das pessoas que o respaldam, assim como questões importantes para a comunidade hispânica que Obama irá impulsionar", declarou Aldrete.   A balança parece inclinada para o democrata, que segundo as últimas pesquisas de opinião aparece como favorito dos latinos - segundo uma sondagem divulgada em 2 de julho pelo instituto Gallup, Obama vence McCain neste grupo por 59% contra 29%.   Estratégias   Obama irá realizar um evento de proporções gigantescas em 28 de agosto em Denver, onde acontecerá a convenção democrata - ocasião em que a sua candidatura será oficializada pela legenda em um estádio esportivo com capacidade para 75 mil pessoas. A reunião do partido, envolta por uma estratégia publicitária maciça, está sendo organizada com o objetivo de atrair o eleitorado hispânico.   Apesar do democrata ser a escolha atual dos hispânicos, eles podem mudar de idéia no final e votar no republicano que, no ano passado, foi co-autor de um projeto de lei - recusado no Congresso - de reforma imigratória que deu esperanças a milhões de mexicanos que vivem ilegalmente no país.   Tanto Obama quanto McCain irão participar na terça, em Washington, da conferência da Liga dos Cidadãos Latino-Americanos Unidos. Os candidatos também irão ao Conselho Nacional de La Raza, uma outra organização hispânica, que acontece na próxima semana em San Diego.  

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.