Candidatos criticam fim da execução por estupro de menor

Obama e McCain condenam decisão da Suprema Corte que considerou pena de morte inconstitucional

Agência Estado e Associated Press,

26 de junho de 2008 | 12h21

Os candidatos Barack Obama e John McCain criticaram a decisão adotada na quarta-feira, 25, pela Suprema Corte dos Estados Unidos de considerar inconstitucional a aplicação da pena de morte contra réus condenado pelo crime de estupro de menores de idade.   Veja também: Justiça dos EUA rejeita pena de morte para estupro de menores Obama x McCain  Conheça a trajetória dos candidatos Cobertura completa das eleições nos EUA    Tanto o democrata Obama quanto o republicando McCain qualificaram a violência sexual contra crianças como um crime "hediondo" e que deveria ser passível de pena capital, mesmo que o crime não tenha resultado na morte da vítima.   A abordagem de Obama foi mais próxima do meio-termo. A maior parte dos americanos é favorável à pena de morte, segundo pesquisas recentes, e os republicanos costumam usar o tema para rotular os democratas como passivos demais com relação à criminalidade.   "Eu penso que o estupro de uma criança, seja de seis ou de oito anos, é um crime hediondo e, se um Estado toma uma decisão com base em circunstâncias específicas, limitadas e bem definidas de que a pena de morte é pelo menos potencialmente aplicável, isso não viola nossa Constituição", declarou Obama durante entrevista coletiva.   Já McCain adotou um tom mais duro. Segundo ele, a decisão da Suprema Corte representa "um golpe contra os esforços dos agentes da lei para punir os autores da mais desprezível forma de crime hediondo".

Mais conteúdo sobre:
eleições nos EUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.