Comitê de Finanças do Senado aprova Geithner no Tesouro

Indicado por Obama ainda precisa de aval do Senado; ele teve que se desculpar por calote em impostos

Agências internacionais,

22 de janeiro de 2009 | 15h02

O Comitê Financeiro do Senado aprovou a designação de Timothy Geithner como secretário do Tesouro nesta quinta-feira, 22. O nome foi aprovado por 18 votos a 5 e agora segue para o pleno do Senado. Obama espera uma rápida confirmação, para que o membro da equipe possa começar a trabalhar. Geithner teve que se desculpar por seus "erros" causados pelo "descuido", que o levaram a não pagar US$ 34 mil em impostos anos atrás, quando trabalhava no Fundo Monetário Internacional (FMI).

 

Veja também:

linkObama assina ordem para fechar Guantánamo

linkObama congela salários de assessores da Casa Branca

linkCom Obama, surge a Casa Branca 2.0

linkCobertura especial da posse no blog

linkÍntegra do discurso de posse de Obama

linkO que você achou das roupas de Michelle? forum

linkTV Estadão: Celso Lafer fala sobre a posse 

linkVeja galeria de fotos da festa mais imagens

linkA vida de Barack Obama em imagens mais imagens

linkImagens da família Obama mais imagens  

 

Geithner disse na quarta-feira ao Congresso que a crise pode piorar se a ação do governo não for forte o suficiente. Sabatinado pelo Senado para confirmar sua indicação, Geithner foi duramente criticado por não ter pago inicialmente todo o imposto de renda devido em seu período de trabalho no FMI, entre 2001 e 2004, num total de US$ 34 mil. Para reforçar a importância que Obama atribuiu à sua nomeação, Geithner foi apresentado pelo ex-presidente do Fed (banco central americano) Paul Volcker, que assessorou o presidente durante a campanha e é considerado um baluarte da ética no establishment econômico-financeiro.

 

Ainda na quarta, o senador republicano John Kyl, do Arizona, pressionou Geithner a admitir que, em relação aos impostos de 2001 e 2002, ele optou inicialmente por não pagar - quando a Receita comunicou que havia problemas - porque a dívida já tinha prescrito (mas pagou agora, para ser nomeado por Obama). "Você parece dançar em torno da pergunta", disse Kyl.

 

(Com Fernando Dantas, de O Estado de S. Paulo)

Tudo o que sabemos sobre:
eleições nos EUABarack Obama

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.