Confio na libertação de reféns americanos das Farc, diz McCain

Para candidato, luta contra as drogas e terrorismo 'não acabou, e ainda há um longo caminho a percorrer'

Efe,

02 de julho de 2008 | 04h31

O candidato republicano à Presidência dos Estados Unidos John McCain afirmou nesta terça-feira, 1, que confia nos trabalhos do governo colombiano para a libertação dos três americanos seqüestrados pelas Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc).   Veja também: Fidel critica viagem de McCain Obama x McCain  Conheça a trajetória dos candidatos Cobertura completa das eleições nos EUA    Depois de se reunir por mais de duas horas com o presidente colombiano, Álvaro Uribe, em Cartagena de Índias, McCain disse que estava "orgulhoso" com a luta de Bogotá contra o terrorismo e o narcotráfico.   "Agradecemos por seus esforços e queremos que consiga a libertação desses cidadãos que estão seqüestrados pelas Farc, especialmente os três americanos, e acreditamos que isso será alcançado com seu esforço", disse o candidato republicano.   Além disso, indicou que a luta contra as drogas e o terrorismo "não acabou, e ainda há um longo caminho a percorrer".   "A estratégia está funcionando, o preço na rua da cocaína subiu muito e isso mostra que a oferta está diminuindo. O governo do México e da Colômbia estão trabalhando com muito esforço para acabar com o tráfico de drogas para o norte e é preciso continuar com a erradicação de cultivos ilícitos", afirmou McCain.   O candidato republicano disse que se chegar à Presidência dos EUA impulsionará o Tratado de Livre-Comércio (TLC) com a Colômbia, que está à espera de aprovação no Congresso americano.   Uribe agradeceu a McCain pela visita e lembrou que o senador americano deu "seu apoio permanente à Colômbia".   "Confiamos em que os Estados Unidos continuarão com uma relação de proximidade com a Colômbia, como sempre foi. Além disso, consideramos positivos os comentários que o senador Barack Obama (candidato democrata) fez sobre a Colômbia", disse o líder.

Tudo o que sabemos sobre:
FarcColômbiaEUAJohn McCain

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.