Crise financeira devolve vantagem de Obama sobre McCain

Pesquisas indicam que efeito causado pela popularidade de Palin perdeu força perante prejuízos em Wall Street

AP

18 de setembro de 2008 | 12h07

Novas pesquisas divulgadas nesta quinta-feira, 18, indicam que a crise no mercado financeiro fortaleceu a candidatura do democrata Barack Obama, em baixa desde a nomeação da conservadora Sarah Palin como candidata a vice na chapa do republicano John McCain. Veja também: Ahmadinejad chama Obama e McCain para debate Hackers invadem e-mail pessoal de Sarah Palin Obama x McCain Entenda o processo eleitoral   Cobertura completa das eleições nos EUA    Um levantamento feito em parceria pela rede de TV 'CBS' e pelo jornal 'The New York Times' revela que Obama tem 48% da preferência do eleitorado contra 43% de McCain. Em uma semana, o democrata subiu sete pontos percentuais. A pesquisa diária feita pelo instituto Gallup coloca Obama 2% à frente de McCain, uma variação ainda dentro da margem de erro. A pior crise da economia americana nos últimos tempos trouxe o debate eleitoral para uma área a qual reconhecidamente não é o forte de McCain. A economia ultrapassou a guerra no Iraque e no Afeganistão como a preocupação número 1 do eleitor. O republicano se complicou na última quarta-feira quando o governo anunciou a estatizou a seguradora AIG, em uma operação de US$ 85 bilhões, tática extremamente criticada por McCain antes da medida ser anunciada."O governo foi obrigado a gastar US$ 85 bi. Isto mostra que as regras precisam ser revistas", disse McCain, que adotou parte do discurso de Obama a favor de mudanças nas regras. Obama, por sua vez, culpou a falta de regulações no mercado financeiro pela crise que começou no setor imobiliário e se espalhou pela economia americana. O democrata aproveitou para criticar seus rivais. "McCain disse literalmente que usaria seus velhos amigos do partido para lidar com o problema", em uma referência ao fracasso republicano em evitar a crise.

Tudo o que sabemos sobre:
eleições nos eua

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.