Criticado por Obama, assessor espiritual deixa sua campanha

Pré-candidato condena discursos inflamados do reverendo Jeremiah Wright; é a 2ª baixa na campanha de Obama

Efe,

15 de março de 2008 | 16h16

Jeremiah Wright, o pastor de Chicago que durante quase duas décadas foi o assessor espiritual do pré-candidado à Presidência dos EUA Barack Obama, deixou a campanha do senador democrata por Illinois, informou neste sábado, 15, o jornal The Washington Post. É a segunda baixa na campanha do senador, depois da saída de sua assessora, Samantha Power.  Veja também:Maioria dos americanos quer um presidente democrataMassacre de Obama rende poucos delegadosConfira a disputa em cada Estado Conheça a trajetória dos candidatos Cobertura completa das eleições nos EUA  A publicação cita Tommy Vietor, porta-voz da campanha de Obama, que disse que Wright deixará de ocupar o papel, fundamentalmente cerimonial, que desempenhava no Comitê de Liderança Religioso Afro-americano da campanha de Obama. O porta-voz não deu outros detalhes. Wright, o reverendo de 66 anos que celebrou o casamento de Obama, batizou suas duas filhas e foi responsável pelo título de seu livro The Audacity of Hope, é uma figura polêmica devido a seus sermões inflamados. A controvérsia atingiu seu ápice nesta semana, depois que várias emissoras de televisão americanas divulgaram fragmentos dos citados sermões, em alguns dos quais acusa os Estados Unidos de estimular os atentados de 11 de setembro de 2001 contra Washington e Nova York com sua atuação na esfera internacional. "Bombardeamos Hiroshima, Nagasaki e bombardeamos com armas nucleares muitas outras pessoas que os milhares (que morreram) em Nova York e o Pentágono e nunca mudamos", afirmou Wright no domingo após os atentados de 11 de setembro. "Apoiamos o terrorismo de Estado contra os palestinos e os negros da África do Sul e agora somos os indignados porque o que fizemos se volta contra nós aqui", criticou o pastor. Obama rejeitou na sexta-feira, 14, essas declarações e disse que não havia estado em nenhum desses sermões. "Ele nunca foi meu assessor político, foi meu pastor e os sermões que ouvi dele estavam relacionados à obrigação de amar Deus e o próximo, de trabalhar em favor dos pobres e buscar a Justiça o tempo todo", disse na sexta-feira, 14, o pré-candidato presidencial democrata.  Entre os sermões e discursos de Wright que ficaram famosos esta semana está um pronunciado na Universidade Howard em 2006, em Washington, no qual se referiu ao racismo nos Estados Unidos. "Este país foi fundado e é dirigido segundo um princípio racista. Acreditamos na superioridade branca e na inferioridade negra e acreditamos nisso mais que no próprio Deus", disse, segundo um trecho publicado na sexta-feira pelo The Wall Street Journal. "Todas as declarações alvo de controvérsia, que condeno veementemente", disse Obama, ao que acrescentar que "nenhuma forma refletem minhas atitudes e contradizem diretamente meu profundo amor por este país". Obama compareceu de forma regular à igreja de Chicago na qual Wright era o principal pastor. O pré-candidato democrata ressaltou que tinha se inteirado dos polêmicos comentários de Wright no início de sua campanha, mas mencionou que, devido à aposentadoria iminente do reverendo e aos estreitos vínculos de sua família com a igreja United Church of Christ, não considerou apropriado deixar a igreja. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.