Debate entre McCain e Obama acabou empatado, diz imprensa

Para comentaristas políticos norte-americanos, nenhum dos dois candidatos à Presidência cometeu erros

EFE

27 de setembro de 2008 | 02h04

O primeiro debate presidencial entre o democrata Barack Obama e o republicano John McCain terminou neste sábado em um empate entre os candidatos, de acordo com os meios de comunicação nos Estados Unidos. Os meios de imprensa são unânimes ao considerar que nenhum dos dois candidatos cometeu erros, mas também não foi notado nenhum ponto de relevância. Ambas as campanhas declararam, de maneira pouco surpreendente, que seu respectivo candidato foi o vencedor do debate, ao qual seguirão outros dois em outubro. Na rede de televisão "CNN", a comentarista política Candy Crowley opinava que "os dois estiveram bastante iguais toda a noite" durante a hora e meia que durou o debate. Mesmo assim, segundo Crowley, McCain usou várias vezes a frase "não entende" sobre seu rival e Obama vinculou o republicano várias vezes ao impopular atual presidente, George W. Bush. Em declarações à rede "ABC", o jornalista Jim Vandehei, da página "Politico.com", opinou que "não houve um momento de definição" do debate, mas ambos os candidatos cumpriram com suas expectativas. Obama, segundo este repórter, "queria se mostrar presidencial e no controle dos assuntos... missão cumprida". McCain, por sua parte, "mostrou a profundidade de seus conhecimentos" em política externa e acusou várias vezes de "ingênuo" seu oponente. Na cadeia "MSNBC", os analistas opinaram que McCain se mostrou "firme" e com sua atuação esta noite "recuperou o rumo" de sua campanha, após vários dias de queda nas pesquisas. Segundo o apresentador Chris Matthews, nessa rede, Obama "poderia ter sido mais combativo, mas demonstrou um bom conhecimento dos fundamentos da política externa, a área onde McCain é mais forte". Seu companheiro Keith Olbermann se mostrou mais contundente na hora de descrever o debate, muito denso em conteúdo, mas pouco em momentos memoráveis. No site do jornal "The Washington Post", o jornalista Robert Kaiser considera que ambos os candidatos "jogaram na defensiva" e nenhum dos dois cometeu "nenhum grande erro", o principal que ambos queriam evitar. Em seu blog de análise política, "Los Angeles Times" afirma que Obama foi mais forte na parte econômica do debate, a primeira, mas McCain fechou com força, "mais assertivo nos últimos 30 minutos do debate".

Tudo o que sabemos sobre:
ELEIÇÕES EUAOBAMAMCCAIN

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.