Democratas deixam de aceitar doações de lobbies

Partido quer aumentar a transparência na arrecadação de fundos; medida já era adotada por Obama

Efe,

05 de junho de 2008 | 21h57

Partido Democrata deixará de aceitar doações procedentes de grupos de pressão, os chamados lobbies, em uma iniciativa para aumentar a transparência em sua arrecadação de fundos e para imitar o candidato virtual da legenda à Presidência dos Estados Unidos, Barack Obama. O Comitê Nacional Democrata anunciou nesta quinta-feira, 5, que o organismo deixará de aceitar contribuições de grupos de pressão política, algo que já fazia Obama em sua campanha eleitoral. Veja também:Conheça a trajetória dos candidatos Cobertura completa das eleições nos EUA Confira a disputa em cada Estado    Segundo o subdiretor de comunicações da campanha de Obama, Dan Pfeiffer, este é um "passo importante que demonstra que o senador está disposto a dar passos contundentes para mudar o modo como funciona Washington". A medida entrou em vigor nesta quinta, mas não tem caráter retroativo, indicou o Comitê.  Obama fez da transparência e da mudança o lema principal de sua campanha. O candidato virtual, que na terça-feira obteve os 2.118 delegados necessários para conseguir a nomeação de seu partido, anunciou nesta quinta que, em cumprimento de suas palavras de ordem de mudança, permitirá o acesso da imprensa a seus atos de arrecadação de fundos. Segundo estabeleceu sua campanha, nesse tipo de atos se permitirá a presença de pelo menos um repórter, que terá a obrigação de transmitir a informação a seus colegas. Seu adversário na corrida pela Casa Branca, o republicano John McCain, negou sistematicamente o acesso da imprensa a seus atos de arrecadação de fundos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.