Democratas fazem apelos populistas antes de Wisconsin

Hillary e Obama aproximaram-se de questões da classe média em discursos antes das próximas primárias

The New York Times,

19 de fevereiro de 2008 | 15h14

Os pré-candidatos democratas Hillary Clinton e Barack Obama intensificaram seus apelos populistas na segunda-feira, 18, em resposta às preocupações na economia, levando o partido para além da postura de cooperação com o setor de negócios, defendida por Bill Clinton.   Veja também: Bush pai apóia McCain na corrida republicana Obama e McCain já falam como candidatos Vitória agrava crise na campanha de Hillary  Guterman: Hillary acabou? Pense de novo Confira a disputa em cada Estado Conheça a trajetória dos candidatos Cobertura completa das eleições nos EUA    Hillary detalhou seu plano para a economia, em discurso na segunda-feira, 18, já focando-se nas primárias de Ohio and Texas, que acontecem em 4 de março.   Com 12 páginas, o programa da senadora destaca projetos para o seguro-saúde, crise imobiliária e criação de empregos.   Ela ainda disse a uma audiência em Wisconsin que as primárias desta terça-feira, 19, e as disputas subseqüentes são a "chance de todos vocês para ajudarem a recuperar seu país".   "Nós precisamos de um alívio tributário para a classe média, não para os ricos", acrescentou Hillary.   A senadora reafirmou suas intenções para criação de uma taxa para a indústria petrolífera, para financiar um programa de fontes de energias alternativas, orçado em US$ 50 bilhões, que também poderia criar 'empregos verdes'    Antes de tomar um vôo para Wisconsin, Obama afirmou que os ricos "prosperaram como bandidos" na administração Bush, e pediu a diminuição dos impostos para empresas que exportam empregos.   "No ano passado, 93 fábricas foram fechadas neste Estado", afirmou o pré-candidato democrata. "Ano após ano, políticos em Washington firmam acordos que beneficiam as grandes companhias, mas não oferecem nenhuma proteção aos trabalhadores americanos. Isso é ruim para o país e para nossa economia", acrescentou.   Disputa pelo endosso de Edwards   Ambos os candidatos disputam o endosso de suas candidaturas por John Edwards, que deixou a disputa presidencial no mês passado. Edwards, que conseguiu o apoio de 26 delegados, tinha uma plataforma de campanha populista.   "Eu penso que ele tinha uma grande popularidade", afirmou Obama, que se encontrou com Edwards no último domingo, 17. "Nós amaríamos o seu apoio", acrescentou.   Os democratas enfrentam-se novamente nesta terça-feira, 19, nas primárias do Estado de Wisconsin e no 'caucus' do Havaí - Estado natal de Obama.   A senadora por Nova York, que antes mantinha toda campanha centrada nas votações em Ohio e Texas, precisa de um bom desempenho em Wisconsin para interromper o crescimento de Obama.   Obama acumula oito vitórias consecutivas nos últimos dias e espera conquistar mais duas nas disputas desta terça-feira, 19. As últimas pesquisas o colocam à frente em Wisconsin, com uma margem de diferença não muito grande.   Depois das disputas desta terça-feira, 19, todas as atenções democratas se voltam para as primárias de 4 de março.

Mais conteúdo sobre:
eleições nos EUAdemocratas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.