Democratas investigam passado de Palin no Alasca, diz jornal

Partido de Obama enviou equipe de investigação ao Estado da vice republicana, afirma 'Wall Street Journal'

Efe,

09 de setembro de 2008 | 20h43

O Partido Democrata enviou uma equipe de 30 pessoas formada por advogados e investigadores ao Alasca para averiguar o passado de Sarah Palin, governadora do estado e candidata à vice-presidência na chapa do republicano Jonh McCain, afirmou nesta terça-feira, 9, jornal The Wall Street Journal. De acordo com o diário, o primeiro grupo de investigadores desembarcou no Alasca menos de 24 horas depois de McCain anunciar em 29 de agosto a escolha de Palin como companheira de chapa. Veja também:Pesquisa: Obama vence em três Estados latinosBoneca de Sarah Palin é vendida na internetObama x McCainEntenda o processo eleitoral  Cobertura completa das eleições nos EUA  Palin, desconhecida na política nacional com menos de dois anos de experiência como governadora, conseguiu impulsionar, pelo menos por enquanto, a popularidade de McCain entre o eleitorado feminino. Segundo pesquisa conjunta do jornal The Washington Post e da rede de televisão ABC, o republicano desfruta de uma vantagem de 12 pontos percentuais entre as mulheres brancas sobre o candidato democrata, Barack Obama. O senador democrata tinha uma vantagem de oito pontos percentuais nesse segmento do eleitorado no último mês. Segundo o Wall Street Journal, os investigadores enviados pelos democratas estão especialmente interessados em averiguar a demissão do comissário de segurança pública durante o mandato de Palin. Os críticos alegam que este comissário foi despedido por não ceder à pressão para demitir Mike Wooten, policial e ex-cunhado de Palin que havia se divorciado da irmã da governadora.  Resposta republicana Por sua vez, o Partido Republicano anunciou nesta terça a criação do que chamaram de "Batalhão da Verdade" que se encarregará, segundo um comunicado divulgado pela formação, de defender Palin e sua família contra possíveis calúnias.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.