Democratas não cumprirão promessa sobre Iraque, diz McCain

Virtual candidato republicano afirma que não há condições para que retirada proposta seja realizada

Reuters,

07 de abril de 2008 | 11h58

O candidato republicano à Presidência dos EUA, John McCain, acusará nesta segunda-feira, 7, seus adversários democratas de fazerem promessas impossíveis de serem cumpridas a respeito do Iraque. Num discurso que inicia uma semana voltada para assuntos militares, McCain dirá a veteranos de guerra que os EUA podem esperar o sucesso na guerra do Iraque, mas que uma retirada apressada será contra os interesses norte-americanos e iraquianos.   Veja também: Confira a disputa em cada Estado Conheça a trajetória dos candidatos Cobertura completa das eleições nos EUA    Os pré-candidatos democratas Barack Obama e Hillary Clinton prometem retirar as tropas do Iraque logo no início de seu eventual mandato, e zombaram de McCain por dizer que os Estados Unidos poderiam permanecer cem anos por lá. "Nossa meta é um Iraque que não precise mais de tropas norte-americanas. E acredito que podemos alcançar tal meta, talvez mais rápido do que muitos imaginam", dirá McCain, segundo trechos do discurso obtidos pela Reuters.   "Mas não acredito que alguém deva fazer promessas como candidato a presidente que não possa manter se for eleito", diz o texto. "Prometer uma retirada das nossas forças do Iraque, a despeito das calamitosas conseqüências para o povo iraquiano, para os nossos interesses mais vitais, e para o futuro do Oriente Médio, é o auge da irresponsabilidade. É um fracasso de liderança."   Obama promete iniciar a retirada imediatamente após a posse, enquanto Hillary afirma que isso levaria no máximo dois meses. Um dos dois disputará a eleição presidencial de novembro contra McCain.   O discurso do senador republicano coincide com uma nova onda de violência no Iraque. Além disso, nesta semana o general David Petraeus, comandante dos EUA no Iraque, prestará depoimento ao Congresso, que deve ser assistido pessoalmente pelos três candidatos a presidente - todos senadores.   Veteranos de guerra, ex-prisioneiro no Vietnã, McCain aposta politicamente no sucesso dos reforços militares enviados no ano passado pelos EUA ao Iraque. No discurso de segunda-feira, o senador dirá que esse reforço está garantindo mais segurança ao Iraque e normalizando a vida das pessoas. "Não há dúvida sobre a realidade básica no Iraque: que não estamos mais olhando para o abismo da derrota, agora podemos olhar para frente, para a perspectiva genuína de sucesso."

Tudo o que sabemos sobre:
eleições nos EUAJohn McCainIraque

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.