Deputada Kirsten Gillibrand ocupará a vaga de Hillary no Senado

Segundo assessor do governador de NY, David Paterson, anúncio oficial será feito na tarde desta sexta-feira

Agências internacionais,

23 de janeiro de 2009 | 07h42

O governador de Nova York, David Paterson, escolheu a deputada democrata Kirsten Gillibrand para ocupar a vaga de Hillary Clinton Estado no Senado federal, segundo afirmou um dos assistentes de Paternson na madrugada desta sexta-feira, 23. A informação foi divulgada um dia depois da retirada abrupta da candidatura de Caroline Kennedy, filha do ex-presidente norte-americano John F. Kennedy.

 

Kirsten, legisladora em seu segundo mandato, será nomeada para ocupar o lugar deixado pela ex-primeira-dama, que renunciou ao posto para assumir o cargo de secretária de Estado no governo do presidente Barack Obama. Segundo o funcionário, que falou sob anonimato, o anúncio oficial será feito nesta tarde.

 

A deputada era considerada uma das principais competidoras no processo de seleção de Paterson, o qual considerava que teria ainda Caroline e o ex-secretário estatal de Justiça Andrew Cuomo como opções. A pessoa designada por Paterson ocupará o posto até 2010, quando será realizada uma nova eleição.

 

Caroline afirmou que desistiu por motivos pessoais. A decisão veio depois que seu tio - o senador Ted Kennedy, 76, de quem ela seria próxima - sofreu um mau súbito na terça-feira, durante um almoço em Washington, em homenagem ao novo presidente.  O senador por Massachusetts, que sofre de câncer no cérebro, recebeu alta do hospital um dia depois. Ela era a principal candidata à vaga, que já pertenceu a seu tio, Robert Kennedy.

Caroline, 51, mantém sua vida pessoal fora dos holofotes e nunca teve um cargo público. Logo, sua campanha pela vaga de Hillary foi considerada incomum. Ela foi criticada pelas entrevistas que deu, nas quais suas respostas foram consideradas vagas e desarticuladas. Algumas pessoas também questionaram se Kennedy, que não votou em várias eleições, levaria a vaga somente por seu sobrenome. Mas ela, que foi conselheira na campanha presidencial de Obama, tinha o apoio de vários nomes de peso, como o prefeito de Nova York, Michael Bloomberg, e o líder democrata no Senado, Harry Reid.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.