Em busca de votos independentes, McCain viaja para Alabama

Virtual candidato republicano inicia excursão a lugares economicante 'esquecidos' do Estados Unidos

Reuters,

21 de abril de 2008 | 21h23

Um coral de mulheres negras fez nesta segunda-feira, 21, uma serenata gospel para o candidato republicano à Presidência dos EUA, John McCain, no dia em que ele iniciou uma viagem para lugares economicamente "esquecidos" do país. Em busca do eleitorado independente, que será crucial na eleição de novembro, McCain passou o dia em uma das áreas mais pobres do seu Estado, o Alabama, onde defendeu abordagens apartidárias na busca pela inclusão econômica.   Veja também:   Mundo da luta convida presidenciáveis americanos ao ringue Confira a disputa em cada Estado Conheça a trajetória dos candidatos Cobertura completa das eleições nos EUA      Enquanto os senadores Barack Obama e Hillary Clinton lutam pela indicação do Partido Democrata, McCain, já vitorioso na disputa republicana, pode se dar ao luxo de visitar lugares aonde os candidatos do seu partido não costumam ir.   Ele começou o dia com um discurso num local histórico do movimento americano dos direitos civis, a ponte Edmund Pettus, em Selma, onde em 7 de março de 1965 policiais armados do Alabama atacaram mais de 500 manifestantes, num episódio que ficou conhecido como "Domingo Sangrento."   "Não deve haver lugares esquecidos na América", afirmou ele, erguendo a voz, sob aplauso da multidão. O candidato fez menções elogiosas ao deputado democrata John Lewis, eleitor de Obama, que participou da manifestação de Selma e foi agredido pela polícia.   Brancos formavam a maioria do público no comício de McCain, de 71 anos. Na entrevista coletiva de que se seguiu, ele disse que não estava preocupado se a mensagem chegaria ou não aos negros e a outros grupos. O voto negro costuma se concentrar nos candidatos democratas, fenômeno que deve se acentuar caso o escolhido seja Obama, que é negro.  

Tudo o que sabemos sobre:
John McCaineleições nos EUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.