Em meio à pressão, vice-governador adjunto de Illinois renuncia

Bob Greenlee foi preso com Blagojevich, acusado de corrupção; porta-voz diz não saber o que motivou decisão

Agência Estado,

10 de dezembro de 2008 | 19h10

O vice-governador adjunto do Estado de Illinois, Bob Greenlee, um assessor importante do governador Rod Blagojevich, renunciou nesta quarta-feira, 10, ao cargo, um dia após Blagojevich ter sido preso sob acusações de corrupção. A porta-voz Kelley Quinn disse que não sabe porquê Greenlee tomou a decisão. Ela afirmou também que o governador Blagojevich, libertado após pagar fiança, ficou no escritório o dia inteiro. "As operações de rotina do governo estadual continuam", declarou.   Veja também: Obama pede renúncia de governador de Illinois Oposição aproveita 'venda' de cargo para atingir Obama Democratas querem eleição para sucessor de Obama no Senado O gabinete do presidente eleito   Blagojevich é acusado de tentar vender a cadeira no Senado que ficou vacante após a eleição de Barack Obama à presidência dos Estados Unidos. Greenlee foi promovido ao cargo de conselheiro graduado de Blagojevich em junho, substituindo a então vice-governadora adjunta Sheila Nix. Nesta quarta, Obama pediu a Blagojevich que renuncie. Se isso ocorrer, quem ocupará o cargo de governador será o vice-governador Pat Quinn.   A detenção do governador e de seu chefe-de-gabinete, John Harris, abriu um novo capítulo no Estado com uma longa história de problemas na eleição de autoridades. Blagojevich, que completou 52 anos nesta quarta-feira, e Harris, de 46, foram acusados de conspiração para cometer fraude e por pedirem suborno. Eles pagaram na quarta-feira uma fiança de US$ 4,5 mil cada e foram deixados em liberdade provisória.   O governador deixou sua casa na área Norte de Chicago no começo do dia e acenou para a mídia, antes de entrar rapidamente em seu carro sem falar com os repórteres que estavam do lado de fora de sua casa. Pouco depois, o carro chegou ao gabinete do governador na sede do governo. O veículo entrou direto na garagem subterrânea, passando por uma série de fotógrafos.   O líder da Câmara de Illinois, o democrata Michael Madigan, disse estar preparado para convocar uma sessão já na segunda-feira, para definir uma eleição especial para preencher a cadeira, segundo o Wall Street Journal. Já Obama tentou se distanciar do escândalo. "O presidente eleito concorda que sob as atuais circunstâncias é difícil para o governador fazer seu trabalho de uma maneira efetiva e servir ao povo de Illinois", disse o porta-voz de Obama, Robert Gibbs.   'Candidato número 5'   O advogado do representante (deputado) democrata Jesse Jackson Jr. disse que o congressistas americano é o "Candidato número 5 ao Senado", mencionado na denúncia federal por corrupção contra Blagojevich. O advogado James D. Montgomery afirmou nesta quarta-feira que Jackson Jr. nunca teve conversas com o governador sobre a suposta venda da cadeira ao congressista.   Em conversas telefônicas gravadas pelo FBI, a polícia federal americana, Blagojevich se refere a um homem identificado como "candidato número 5 ao Senado". Ao ser questionado se era esse homem, Jackson Jr. respondeu apenas "não sei."   Montgomery disse que o deputado "nunca autorizou ninguém a que buscasse apoio no governo" para nada de valor, e indicou que o congressista não sabe se alguém indicou seu nome à vaga. Montgomery declarou ainda que Jackson Jr. soube que foi mencionado na denúncia contra Blagojevich na noite de segunda-feira.   (Matéria atualizada às 20h05)   (Com AP, BBC Brasil e Dow Jones)  

Tudo o que sabemos sobre:
Barack Obamaeleições nos EUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.