EFE/Shawn Thew
EFE/Shawn Thew

Embaixadora dos EUA diz que ONU esgotou opções sobre Coreia do Norte

Secretário de Estado, Rex Tillerson, alinha discurso e diz que se esforços diplomático não funcionarem, 'opção militar será a única a ter sobrado'

O Estado de S. Paulo

17 Setembro 2017 | 13h26

A embaixadora dos Estados Unidos nas Nações Unidas, Nikki Haley, afirmou neste domingo que o Conselho de Segurança da ONU esgotou todas suas opções na contenção do programa nuclear da Coreia do Norte e que os EUA podem ter que entregar o assunto ao Pentágono.

“Nós esgotamos todas as coisas que poderíamos fazer no Conselho de Segurança neste momento”, disse Haley ao “State of the Union” da CNN, acrescentando que estava perfeitamente feliz em entregar o assunto ao secretário de Defesa, James Mattis.

“Estamos tentando todas as outras possibilidades que temos, mas há muitas opções militares na mesa”, acrescentou Haley.

Em entrevista a rede televisão norte-americana CBS, o secretário de Estado dos Estados Unidos, Rex Tillerson, corroborou com o discurso de Nikki Haley e disse que se esforços diplomáticos contra a Coreia do Norte não funcionarem, "nossa opção militar será a única a ter sobrado".

"Que fique claro", declarou Tillerson, "nós buscamos uma solução pacífica para essa questão, mas eles (Coreia do Norte) não estão captando a mensagem", afirmou.

Durante a entrevista, o secretário de Estado do governo Trump reiterou que os EUA não tem a intenção de mudar o governo da Coreia do Norte ou reunificar a Península Coreana. Segundo ele, as sanções contra o regime de Pyongyang têm o objetivo de levar os países a um "diálogo construtivo e produtivo".

Contexto. As recentes declarações de embaixadores e secretários norte-americanos foram motivadas pela escalada militar da Coreia do Norte, com o cada vez maior número de lançamento de mísseis, o último que sobrevoou a ilha japonesa de Hokkaido e caiu no Oceano Pacífico, na última sexta-feira.

No sábado o líder norte-coreano, Kim Jong-Un, afirmou a agência estatal de notícias KCNA que o objetivo do programa nuclear de seu país está "quase concluído".

Segundo Kim, Coreia do Norte quer alcançar um “equilíbrio” de força militar com os Estados Unidos. “Nosso objetivo é estabelecer o equilíbrio da força real com os EUA e fazer com que os governantes norte-americanos não se atrevam a falar sobre uma opção militar”./COM INFORMAÇÕES REUTERS

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.