'Escolha de vice só depende de Obama', diz Hillary

Ex-primeira-dama pede que apoiadores não pressionem senador para escolhê-la como vice na chapa democrata

The New York Times,

05 de junho de 2008 | 19h27

A senadora Hillary Rodham Clinton desaprovou nesta quinta-feira, 5, a campanha de alguns de seus apoiadores para pressionar o senador Barack Obama para escolhê-la como candidata à vice-presidência em sua chapa. Hillary afirmou que seus apoiadores estava agindo por vontade própria e que a escolha de quem será o vice em sua chapa é do "senador Obama. E só dele."  Veja também:Hillary descarta possibilidade de ser vice de ObamaObama busca agora um vice  Casal Clinton não perde influência Cronologia da disputa entre Hillary e ObamaConheça a trajetória dos candidatos Cobertura completa das eleições nos EUA  A declaração, divulgada pela campanha de Hillary, veio dois dias depois que alguns apoiadores-chave levantaram a idéia de uma chapa Obama-Hillary, dizendo que isto garantiria a vitória democrata em novembro. A senadora também não fez esforços para desmentir, ao dizer a parlamentares em uma conferência privada em Nova York que estaria aberta para ser a colega de chapa de Obama. O candidato democrata começou oficialmente sua campanha para as eleições gerais em Bristol, Virgina, nesta quinta-feira, 5, elogiando Hillary enquanto começava a exercer controle sob o Partido Democrata e focando seus esforços na disputa contra o candidato republicano John McCain. "Eu sei que sou um candidato melhor porque eu competi contra ela", disse Obama, falando sob aplausos de milhares de apoiadores. "Ela é dura. Ela é uma excelente candidata e grande servidora pública". A aparente campanha para colocar Hillary na chapa era não usual e aberta, e vários democratas argumentaram que isso não seria produtivo.  "Enquanto a senadora Clinton deixou claro durante o processo que iria fazer tudo o que pudesse para eleger um democrata na Casa Branca, ela não está buscando a vice-presidência, e ninguém pode falar por ela", disse a campanha da senadora em comunicado. "A eleição é de Obama, e só dele."  "Eu estou muito orgulhoso da América ter me dado esta oportunidade", disse Obama em Bristol. "Isso é um sinal de um enorme crescimento para este país". Não esperando uma desistência formal de Hillary, o senador criou um time de três pessoas, incluindo Caroline Kennedy, para escolher seu colega de chapa. Os auxiliares de Obama adiantaram que eles poderão prosseguir lentamente com a procura.  Na quarta-feira, o senador e Hillary cruzaram seus caminhos rapidamente em Washington. Quando ele deixou o Capitólio, disse aos repórteres: "Nós conversaremos nas próximas semanas."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.