EUA libertam cinco prisioneiros de Guantánamo

Homens foram capturados no Paquistão e estavam presos há doze anos sob suspeita de serem militantes ligados à Al-Qaeda

O Estado de S.Paulo

31 de dezembro de 2014 | 13h31

Cinco homens mantidos presos durante doze anos sem nenhuma acusação formal na base naval norte-americana de Guantánamo, em Cuba, foram liberados e enviados ao Casaquistão para serem reintegrados à sociedade. Os dois tunisianos e três iemenitas estão entre as dezenas de homens detidos no presídio que foram libertados, mas não puderam ir para casa.


Os cinco prisioneiros foram capturados no Paquistão e mantidos em Guantánamo sob suspeita de serem militantes ligados à Al-Qaeda. Uma força tarefa do governo norte-americano determinou agora que eles não representam nenhuma ameaça.


Um depoimento do Pentágono publicado na terça-feira afirma que a libertação dos cinco homens reduz a população prisional de Guantánamo para 127 pessoas. Neste ano, cerca de 30 prisioneiros foram enviados para programas de reintegração em países que não são os seus de origem. A operação faz parte dos esforços do presidente Barack Obama de fechar o centro de detenção. /AP

Mais conteúdo sobre:
EUAGuantánamo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.