Executivo contradiz McCain sobre suposto encontro com lobista

Lowell Paxson afirma que se encontrou com candidato em 1999 e que Vicki Iseman estava na reunião

Efe,

23 de fevereiro de 2008 | 15h00

Lowell "Bud" Paxson, executivo de comunicações aposentado, negou a versão do pré-candidato republicano à Presidência dos Estados Unidos John McCain de que não se encontrou com ele e com a lobista Vicki Iseman antes de interceder a favor dele em uma agência federal, informou neste sábado, 23, o jornal Washington Post.   Veja também: Democratas disputam apoio de ex-pré-candidato Bill Richardson Confira a disputa em cada Estado Conheça a trajetória dos candidatos Cobertura completa das eleições nos EUA    Paxson, fundador da Paxson Communications e dono de várias emissoras de rádio e televisão na Flórida, disse ao jornal americano que se encontrou com McCain em 1999, semanas antes de o senador pelo Arizona enviar duas polêmicas cartas à Comissão Federal de Comunicações (FCC, em inglês).   Nas cartas, McCain, então presidente da Comissão de Comércio do Senado, pedia à FCC que a agência tomasse uma decisão sobre a intenção da Paxson de comprar uma emissora de TV em Pittsburgh (Pensilvânia).   Paxson também afirma que a lobista Vicki Iseman, sócia da empresa Alcalde & Fay, marcou o encontro dos dois e que ela mesma teria presenciado a reunião.   "Vicki estava lá? Provavelmente. A mulher era uma profissional. Ela era boa. Ela podia marcar reuniões para nós", lembrou Paxson em entrevista ao Washington Post.   Tanto McCain como Vicki negaram ter uma relação inadequada, como sugerem as reportagens do Washington Post e do New York Times veiculadas esta semana.   As declarações de Paxson contradizem a versão do comitê eleitoral de McCain sobre as duas cartas, agora na mira de uma tempestade política sobre os vínculos entre o pré-candidato presidencial republicano e a lobista Vicki.   Na quinta-feira, o comitê de McCain afirmou que o senador não se reuniu com Paxson nem com Vicki a respeito da possível compra da emissora de TV e sua intercessão perante a FCC. O advogado de McCain, Robert S. Bennett, minimizou a importância da controvérsia sobre se houve ou não o encontro com Paxson e disse ao Washington Post que McCain nunca pediu à FCC para aprovar ou rejeitar a solicitação de compra.   As denúncias de possíveis vínculos de McCain com Vicki surgiram nesta semana depois que um assessor do senador disse à imprensa que, em 2000, pediu à representante de lobistas que se afastasse do pré-candidato republicano para proteger sua reputação e sua independência das pressões dos grupos de interesses especiais. Na quinta-feira, McCain, ao lado da mulher, Cindy, negou ter tido qualquer relação inadequada com Vicki.

Tudo o que sabemos sobre:
eleições nos EUAMcCain

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.