Final da disputa nos EUA foca Estados que elegeram Bush

Obama prepara discurso com argumento final em Ohio; McCain tenta salvar base republicana para garantir votos

Agências internacionais,

27 de outubro de 2008 | 08h48

Os senadores John McCain e Barack Obama planejam dirigir a campanha na última semana da presidencial americana aos Estados em que o presidente George W. Bush venceu na última eleição em roteiros parecidos, embora com estratégias diferentes. Com o otimismo favorecendo os principais redutos democratas, Obama apresentará nesta segunda-feira, 27, o que seus assessores chamaram de argumento final de sua campanha em Ohio, revisando as propostas que apresentou desde o início de sua candidatura. McCain e sua colega de chapa, Sarah Palin, pretendem gastar boa parte do tempo na Flórida, Ohio, Carolina do Norte, Missouri e Indiana, Estados que os republicanos consideraram que teriam o apoio.       Veja também: Obama lidera em 5 Estados-chave; McCain, em 2 Enquete: Você votaria em McCain ou Obama?  Confira os números das pesquisas nos Estados  Obama x McCain  Entenda o processo eleitoral   Cobertura completa das eleições nos EUA   Alguns republicanos afirmam que ainda existe esperança de que McCain possa vencer a disputa, surgem sinais do crescimento da preocupação do candidato e do partido sobre uma grande derrota que pode enfraquecer o partido por anos. Enquanto Obama usa seu planejamento político e financeiro para expandir seu mapa político, McCain está sendo forçado a lutar por Estados que não contestaram o apoio aos republicanos por décadas.   Repetindo seu apelo por mudanças, Obama convocará os americanos a "virarem a página" quanto às políticas do atual governo do país. "O senador McCain serviu este país de forma honrosa. E ele pode destacar alguns momentos, ao longo dos últimos oito anos, nos quais se afastou de George W. Bush - a respeito da tortura, por exemplo", afirmou Obama em trechos de um discurso que deve proferir em Canton (Ohio)."Ele merece crédito por isso. Mas, quando se trata da economia, quando nos concentramos na questão central desta eleição, a verdade pura e simples é que John McCain ficou ao lado deste presidente em todos os passos do caminho", disse o democrata.   O discurso deve ser enfatizado em um anúncio de 30 minutos a ser veiculado no horário nobre da TV norte-americana, na quarta-feira. "Dentro de uma semana, vocês poderão virar a página quanto às políticas que colocaram a ganância e a irresponsabilidade de Wall Street à frente do trabalho duro e do sacrifício do trabalhador comum", afirmou.   Os alvos das duas campanhas no final de semana foram os Estados do Colorado e Novo México, onde Obama lidera com margem de votos estreita. No fim de semana, o democrata reforçou a campanha nos dois Estados, além de Nevada. Juntos, eles somam 19 votos no Colégio Eleitoral. Obama não quer depender da Flórida, onde estão em jogo 27 votos e sua vantagem é menor nas pesquisas. Para McCain, o giro foi decisivo para tentar alavancar uma reação na corrida.   Obama fez comício no domingo em Denver para mais de 100 mil pessoas - recorde de público do democrata. Horas depois, reuniu cerca de 35 mil pessoas em Fort Collins, também no Colorado. O democrata aproveitou para atacar McCain, afirmando que o republicano "finalmente reconheceu que partilha da mesma filosofia do presidente George W. Bush". Ele se referia a uma entrevista de McCain ao programa "Meet the Press", da rede NBC, veiculada no fim de semana, na qual fez a afirmação dentro de um contexto mais amplo. "Se compartilho da filosofia de Bush? Claro, mas discordei várias vezes do presidente e também do Partido Republicano", disse McCain. No sábado, Obama esteve no Novo México e em Nevada.   Assessores de McCain diz que ainda está confiante por uma vitória, mas que o candidato não planeja nenhum tipo de argumento final para encerrar a campanha. Pessoas da campanha democrata afirmaram que o discurso de conclusão de Obama deve retornar ao tema que abordou quando anunciou sua candidatura, o pedido de mudança. Assessores de Obama disseram que depois de uma longa e agressiva disputa, acreditam que os eleitores estão ansiosos pelo tipo de apelo positivo que encerrará a corrida presidencial.   Jornal do Alasca pró-Obama   O Anchorage Daily News, o maior jornal do Alasca - Estado da candidata a vice na chapa republicana, Sarah Palin -, anunciou apoio ao democrata Barack Obama. Em editorial, o periódico elogia Palin, mas diz que sua nomeação (e o voto em McCain) "é a escolha errada neste momento crítico do país".   (Com The New York Times)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.