Photo by Handout / NOAA/GOES / AFP
Photo by Handout / NOAA/GOES / AFP

Furacão Ida avança nos Estados Unidos e sobe para categoria 4

Segundo os especialistas, a tempestade alcançou a categoria horas antes do previsto pelo Serviço Nacional de Meteorologia, que esperava que Ida chegasse à costa apenas na parte da tarde

Redação, O Estado de S.Paulo

29 de agosto de 2021 | 03h08

O furacao Ida ganhou força rapidamente neste domingo, 29, e o Serviço Nacional de Meteorologia dos Estados Unidos  precisou reclassificar a tempestade para a categoria 4. Com ventos que podem chegar a 209 quilômetros por hora, o fenômeno deve tocar a terra ao sul do país neste fim de semana após atingir o oeste de Cuba.

A previsão é de que haja "onda de tempestade potencialmente mortal" quando o furacão atingir a costa da Louisiana e do Mississippi. O alerta é para que as pessoas nas áreas afetadas sigam o conselho das autoridades locais. Moradores de áreas de alto risco deixaram suas casas e fizeram fila para estocar suprimentos antes da chegada do furacão.

Segundo os especialistas, a tempestade alcançou a categoria 4 horas antes do previsto pelo Serviço Nacional de Meteorologia, que esperava que Ida chegasse à costa apenas na parte da tarde.

Autoridades locais estão abrindo abrigos para acolher os moradores que ficarão desabrigados por causa da tempestade, apesar dos riscos de contágio do novo coronavirus. A Louisiana é uma das mais afetadas pelo surto de covid-19 com a variante delta, além de apresentar baixas taxas de vacinação na região. 

Louisiana declarou estado de emergência em antecipação à tempestade, que atingirá os Estados Unidos no domingo, 16 anos após o devastador furacão Katrina, que causou inundações em 80% de Nova Orleans e matou mais de 1.800 pessoas.

As autoridades já ordenaram evacuações obrigatórias fora das áreas protegidas de Nova Orleans e cidades costeiras sujeitas a inundações, como Grand Isle. "As pessoas estão fazendo as malas e saindo agora", disse o chefe da polícia de Grand Isle, Scooter Resweber, à mídia local.

A declaração de estado de emergência, aprovada pelo presidente Joe Biden, canalizará fundos federais suplementares e ajuda ao estado do sul para fortalecer seus esforços de preparação e resposta a emergências.

Notícias relacionadas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.