Giuliani atrai mais repórteres do que eleitores republicanos

Visita de ex-prefeito de Nova York a lanchonete na Flórida deixa partidários decepcionados

Patrícia Campos Mello, enviada especial de O Estado de S. Paulo,

29 de janeiro de 2008 | 23h50

"A Flórida é a terra do Rudy" garantem os slogans. Mas aqui na lanchonete Rascal House, o território do pré-candidato republicano Rudolph Giuliani está um tanto despovoado. Pouco mais de 30 pessoas apareceram nesta terça-feira, 29, para festejar o ex-prefeito de Nova York, que começou liderando as pesquisas na Flórida e, segundo as últimas sondagens antes da prévia, teria de se contentar com a disputa pelo terceiro lugar com Mike Huckabee. Como se diz no circuito das campanhas, havia mais imprensa do que eleitores.   Veja também: Giuliani pode deixar disputa Republicanos buscam votos de cubanos Cobertura completa das eleições nos EUA Especial eleições americanas     Giuliani pareceu não se incomodar e saiu cumprimentando seus eleitores, na maioria fugitivos do inverno de Nova York. "Giuliani consertou Nova York, a gente vivia com medo e ele acabou com a violência", disse Rosemary Terracone. Apesar do autêntico bronzeado Miami, Rosemary avisa ser uma verdadeira nova-iorquina do Bronx e torce muito pelo ex-prefeito. "Espero que ele tenha chances, ele ia tão bem no começo", disse ela, que pretendia sair dali e ir direto para o posto de votação.   Mas até Rosemary confessou ter ficado um pouco decepcionada com seu candidato. Giuliani apertou sua mão rapidamente e já saiu andando. Nem parou para discursar. E, pior, os seguranças empurraram Rosemary. "A senhora precisa sair daí, o prefeito vai passar", disse um segurança, com a habitual truculência da equipe de Giuliani. "Qual é o seu problema? Só quero apertar a mão do candidato!", disse Rosemary.   Carlos Muñoz Fontanills, um dos organizadores da campanha de Giuliani na Flórida, também ficou frustrado. Tentou em vão dar ao ex-prefeito um dos folhetos que fez para a comunidade cubana. "El 29 de enero despegamos en la Florida rumbo a White House" (em 29 de janeiro decolamos da Flórida rumo à Casa Branca) eram os dizeres do folheto, acima da foto de um avião "AirGiuliani".   Apesar de ter despencado nas sondagens, Giuliani e seus eleitores não desanimavam. "Várias pesquisas mostram Giuliani na liderança, mas a mídia é comprada e não mostra", disse Fontanills. No encontro, Giuliani disse ter conquistado boa parte dos votos antecipados. Até agora, 400 mil republicanos votaram antecipadamente (dos 3,8 milhões eleitores), e Giuliani concentrou esforços para ganhar esses votos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.