Robert S. Price/Courtesy U.S. Navy (via REUTERS)
Robert S. Price/Courtesy U.S. Navy (via REUTERS)

Governador sírio diz que ataque fortalece Estado Islâmico

'Liderança síria e a política síria não vão mudar', diz Tala Barazi, governador da província de Homs

O Estado de S. Paulo

06 Abril 2017 | 23h58

Os ataques com 59 mísseis Tomahawk contra posições do governo Bashar Al Assad na Síria, em retaliação ao ataque com armas químicas que provocou a morte de cerca de 100 pessoas na terça-feira, servem apenas para corroborar com os objetivos e fortalecer "grupos terroristas armados" e "do Estado Islâmico", afirmou Talal Barazi, governador da província de Homs. 

"A liderança síria e a política síria não vão mudar", disse o Barazi, em entrevista por telefone à televisão estatal do país. "Esse tipo de problema não foi o primeiro e eu não acredito que será o último", acrescentou.

O governo sírio tem negado com veemência e a responsabilidade pelos ataques químicos que deixaram um saldo de cerca de 100 pessoas mortas, entre elas muitas crianças e bebês. "Os grupos terroristas armados não conseguiram atingir o exército árabe sírio e posições militares russas", disse Barazi, usando as siglas em árabe para Estado islâmico. O governo sírio descreve todos os grupos armados que se opõem a ele como terroristas.

Os EUA atacam "posições militares específicas na Síria e em Homs especificamente" para publicamente "servir os objetivos do terrorismo na Síria e os objetivos de Israel no longo prazo", acrescentou Barazi. Uma fonte militar síria disse anteriormente que o ataque à base aérea da Síria havia levado a "perdas", mas nada foi confirmado oficialmente. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.