AP Photo/Andrew Harnik
AP Photo/Andrew Harnik

Governo Trump busca provas de crimes para avaliar permanência de refugiados haitianos

E-mails do Serviço de Cidadania e Imigração dos EUA obtidos pela agência 'Associated Press' mostram que funcionários do Departamento de Segurança Interna dos EUA foram instruídos a pesquisar histórico criminal de cidadãos do Haiti

O Estado de S.Paulo

09 Maio 2017 | 06h19
Atualizado 09 Maio 2017 | 11h11

WASHINGTON - O governo do presidente americano Donald Trump está em busca de evidências de crimes cometidos por refugiados haitianos enquanto decide se permitirá que os cidadãos deste país continuem participando de um programa humanitário que evitou que milhares deles fossem deportados nos últimos anos.

Os inquéritos sobre o histórico criminal da comunidade estavam em e-mails internos do Serviço de Cidadania e Imigração dos EUA, uma agência do Departamento de Segurança Interna dos EUA, obtidos pela agência Associated Press. Eles mostram que o novo chefe da agência também queria saber quantos dos cerca de 50 mil haitianos inscritos no programa de estavam aproveitando benefícios públicos que eles não têm direito de receber.

As mensagens não deixam claro, no entanto, se os delitos cometidos por haitianos serão utilizados para deportá-los dos EUA. "Quero alertá-los... O secretário enviará um pedido para que sejamos mais suscetível", escreveu em 27 de abril Kathy Nuebel Kovarik, chefe de políticas e estratégias da agência do governo americano. "Sei que muita coisa não é registrada, mas teremos que descobrir uma maneira de extrair mais dados de nossos sistemas", disse ela ao se referir à incapacidade dos funcionários da agência de coletar as informações solicitadas sobre os delitos dos haitianos.

O pedido de dados criminais para toda uma comunidade não é uma prática comum. A lei dos EUA não especifica que isto deve ser usado como critério para uma pessoa receber Status de Proteção Temporário e governo nunca disse que iria usar taxas criminais para decidir se os cidadãos de um país devem ser autorizado a permanecer dentro deste programa. A introdução de novos critérios provavelmente causará consternação entre os haitianos que cumprem a lei, que podem sentir que estão sendo penalizados pelos erros cometidos por seus compatriotas.

O pedido, no entanto, se encaixa no foco mais amplo de Trump sobre a imigração, que é uma demanda central de seus apoiadores políticos. O republicano reforçou os esforços para prender pessoas que vivem ilegalmente no país e procurou, sem êxito até agora, suspender as chegadas de refugiados e bloquear temporariamente visitantes de sete países de maioria muçulmana.

Não está claro se a agência está fazendo estas perguntas sobre outros beneficiários da proteção temporária, incluindo imigrantes de Honduras e El Salvador. O Departamento de Segurança Interna dos EUA disse que ainda não tomou uma decisão sobre o Status de Proteção Temporário para o Haiti e se recusou a comentar o processo. / AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.