Hillary cancela ida a comício por presença de Sarah Palin

Organizadores não haviam informado ex-candidata democrata que vice de McCain estaria em protesto contra irã

Efe,

17 de setembro de 2008 | 20h19

A ex-aspirante democrata à Casa Branca Hillary Clinton cancelou sua participação em um comício na próxima semana em Nova York ao saber que a candidata republicana à vice-presidência, Sarah Palin, também tinha sido convidada. Segundo o porta-voz da senadora, Philippe Reines, os organizadores do ato não informaram à senadora que Palin também tinha confirmado sua ida ao comício chamado "Stop Iran Now", que acontecerá diante da sede da ONU na próxima segunda-feira.   Veja também: Para Palin, Obama se arrepende de não ter escolhido Hillary Obama x McCain Entenda o processo eleitoral   Cobertura completa das eleições nos EUA    "Foi a primeira notícia que tínhamos de que (Palin) estaria presente, e nunca nos apresentaram como um ato político eleitoral", declarou Reines, que ressaltou que, "portanto, a senadora Clinton não vai participar."   A campanha republicana emitiu um comunicado no qual critica a retirada de Hillary. "Esta questão (o protesto contra o Irã) é importante demais para deixar que se transforme em algo partidário", comentou um porta-voz da campanha republicana, Bill Goldfarb.   Voto feminino   Líderes democratas anunciaram nesta quarta que percorrerão os Estados Unidos nas próximas semanas para atrair o importante voto feminino, parcela do eleitorado que o partido vê ameaçada com a escolha de Sarah Palin para vice na chapa do republicano John McCain.   "Durante as próximas semanas percorreremos todo o país para falar das preocupações econômicas das famílias e das mulheres americanas", disse nesta quarta Nancy Pelosi, presidente da Câmara de Representantes.   Nem ela nem outras congressistas democratas presentes à entrevista mencionaram Palin, embora o nome da republicana tenha predominado nas perguntas.   Para diminuir a ameaça da adversária, que aumentou a popularidade de McCain entre as eleitoras, Pelosi e as legisladoras que a acompanharam, como Rosa DeLauro, Diana DeGette, Jan Schakowsky, Linda Sánchez e Donna Edwards insistiram que nesta eleição a escolha é "entre mais do mesmo (McCain) e a mudança em Washington (Obama)."   DeLauro e as outras legisladoras apresentaram Obama como um defensor dos interesses da mulher, como o direito a mesma remuneração que seus companheiros de trabalho homens.   Além disso, as participantes negaram a premissa de que muitos dos 10 milhões de votos femininos de Hillary Clinton possam ir para Palin. "A senadora (Hillary) Clinton protagonizou uma magnífica campanha e seus eleitores apóiam majoritariamente Barack Obama", declarou Pelosi.  

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.