Hillary e Obama admitem erros em debate na Pensilvânia

Democratas baixam tom de críticas; pesquisas mostram que Obama é o mais indicado para enfrentar McCain

Reuters,

17 de abril de 2008 | 05h33

Em seu primeiro debate depois de sete semanas, Hillary Clinton e Barack Obama não pouparam críticas um ao outro, mas procuraram baixar o tom. "Eu disse coisas que sabia que não eram o caso", admitiu a senadora no debate de na quarta-feira à noite na Pensilvânia, desculpando-se por sua declaração de que desembarcou "sob fogo" na Bósnia em 1996 (o que imagens de TV mostraram não ser verdade). Obama comentou: "Ela tem o direito de cometer alguns erros. Também cometi alguns."  Leia cobertura completa das eleições americanas Ambos disseram que tanto um como outro têm condições de derrotar o republicano John McCain na eleição de novembro. "Mas posso fazer uma gestão melhor, obviamente", emendou Hillary, dizendo ainda que seu rival seria mais vulnerável que ela na disputa com McCain. Obama rebateu: "Tenho mostrado que posso resistir a um golpe. Resisti a alguns muito bons da senadora Clinton."  Ambos se negaram a prometer ao perdedor da disputa democrata um lugar como vice em sua chapa presidencial. "Seria prematuro falar disso", afirmou o senador. "Farei o possível para garantir que um de nós preste juramento como presidente em janeiro", disse a senadora.  Pesquisas Sondagens divulgadas na quarta-feira mostram Hillary em desvantagem. Segundo pesquisa Washington Post/ABC, 62% dos democratas acreditam que Obama tem mais chances de ganhar em novembro, enquanto só 31% acham que Hillary é a mais indicada para enfrentar McCain. A pesquisa mostrou a confiança na senadora em queda: 54% dos americanos têm opinião desfavorável sobre ela (14 pontos a mais que em janeiro), enquanto 39% não gostam de Obama (9 pontos a mais que em janeiro). Além disso, 58% dos entrevistados responderam que Hillary não é "honesta nem digna de confiança".  Numa pesquisa do instituto Zogby e da Reuters, Obama aparece à frente de Hillary na preferência dos eleitores democratas de todo o país: 51% a 38%. Na sondagem anterior, há duas semanas, a diferença era de 3 pontos em favor de Obama. Na Pensilvânia, pesquisa do instituto Public Policy mostrou Obama à frente de Hillary (45% a 42%). Já segundo sondagem de Los Angeles Times, ela teria 46% das intenções de voto na Pensilvânia e ele, 41%.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.