Hillary e Obama intensificam campanha em Ohio

Prévias da próxima terça-feira podem ser decisivas para os pré-candidatos favoritos à presidência dos EUA

Agência Estado e Associated Press,

02 de março de 2008 | 17h13

Os principais pré-candidatos do Partido Democrata à eleição presidencial norte-americana de novembro, senadores Hillary Clinton (Nova York) e Barack Obama(Illinois), intensificaram suas campanhas neste domingo em Ohio e no Texas, dois dos estados onde haverá eleições primárias nesta terça-feira. No mesmo dia também haverá primárias nos pequenos estados de Rhode Island e Vermont, cuja importância eleitoral é menor.  Veja também:Excesso de confiança prejudicou Hillary Confira a disputa em cada Estado Conheça a trajetória dos candidatos Cobertura completa das eleições nos EUA  As últimas pesquisas de intenção de voto indicam que Hillary tem uma pequena vantagem sobre Obama em Ohio e que os dois estão virtualmente empatados no Texas; há poucas semanas, a ex-primeira-dama tinha uma vantagem expressiva sobre Obama em ambos os estados. Neste domingo, o governador do Novo México e ex-candidato democrata Bill Richardson disse que "as futricas entre Hillary e Obama estão indo longe demais". Ele se recusou a manifestar apoio a qualquer dos pré-candidatos de seu partido, mas disse que a agremiação precisa decidir-se logo, para começar a fazer campanha contra o senador John McCain, virtual candidato do Partido Republicano (do presidente George W. Bush). "Acho que o Dia D vai ser esta terça-feira. Temos que ter uma campanha positiva a partir de terça. Quem quer que tenha uma liderança expressiva depois desta terça deverá ser o indicado. Acho que precisamos estar prontos para enfrentar um McCain muito forte", disse Richardson, que é considerado um concorrente forte a ser o candidato a vice-presidente na chapa do Partido Democrata. Nas primárias já realizadas até agora, Obama assegurou o apoio de 1.385 delegados para a Convenção Nacional do Partido Democrata, marcada para agosto, e Hillary tem 1.276. Para tornar-se o candidato do partido à Casa Branca, qualquer um deles precisa assegurar os votos de 2.025 delegados; nas primárias desta terça-feira estarão em jogo 370 delegados. Do lado republicano, McCain, senador pelo Arizona, já tem 1.014 dos 1.191 delegados necessários para vencer a convenção de seu partido, marcada para setembro. Neste domingo, Hillary fez campanha em Westerville, subúrbio de Columbus (Ohio). Ela disse ter soluções reais para as dificuldades econômicas enfrentadas por Ohio e por outros estados do meio-oeste e defendeu sua proposta de criar um sistema de saúde universal. Obama, por sua vez, participou de uma reunião com moradores de Nelsonville, também em Ohio. Ele se disse cansado de ser questionado sobre sua religião. Obama afirmou ser um cristão devoto, e não muçulmano, como oponentes vêm sugerindo há vários meses. No sábado, em campanha no Texas, Hillary voltou a atacar Obama. "Toda a sua campanha se baseia em um discurso que ele fez numa manifestação contra a invasão do Iraque em 2002. O discurso não foi acompanhado de ação, e esse é o padrão que temos visto repetidamente". Obama reagiu pondo em destaque o fato de Hillary ter votado a favor da resolução do Congresso que autorizou a invasão do Iraque: "Mudança real não é votar pela guerra de Bush no Iraque e depois dizer ao povo americano, já no início da campanha, que aquele foi um voto pela diplomacia", disse o senador. Guerra na mídia Segundo a BBC, os dois pré-candidatos democratas na corrida presidencial americana levaram a sua acalorada disputa para as ondas da TV. A campanha de Hillary criou um anúncio acusado pelos correligionários de Obama de ser um incitamento ao medo. O comercial mostra o quarto de uma casa de família americana, com crianças dormindo, seguido da voz de um locutor, que diz: "São três horas da manhã e seus filhos estão dormindo tranqüilos. Mas há um telefone tocando na Casa Branca. Alguma coisa está acontecendo no mundo. O seu voto decidirá quem atenderá esse telefonema. Alguém que conhece os líderes mundiais e os militares, uma pessoa que já foi testada e que está preparada para liderar em um mundo perigoso". Ao final do anúncio, o locutor volta a repetir a frase inicial e conclui: "São três horas da manhã e seus filhos estão dormindo tranqüilos. Quem você quer que atenda esse telefonema?". Em seguida, é mostrada a imagem de Hillary, de óculos, ao telefone. Os correligionários de Hillary argumentaram que o anúncio não visava afugentar eleitores, mas sim destacar a experiência de Hillary e sua capacidade de decidir em um espaço curto de tempo. Em menos de 48 horas, a campanha de Obama criou um anúncio respondendo ao comercial da rival.O anúncio utiliza as mesmas frases iniciais do comercial de Hillary, mas acrescenta um encerramento distinto, dizendo que o presidente deveria ser aquele que, ao atender ao telefone, seria capaz de avaliar corretamente e ter a coragem de se opor à guerra do Iraque desde o começo. A propaganda termina com os dizeres: ''Em um mundo perigoso, é a capacidade de decidir que importa''. A reposta de Obama foi semelhante ao teor de seu anúncio. "A questão não é atender ao telefone, é o tipo de decisão que você vai tomar quando atender ao telefone." O comentário foi uma referência ao fato de que, em 2002, a senadora Hillary Clinton votou a favor da guerra do Iraque. Ataques a McCain Durante um evento de campanha em Dallas, no Texas, um dos quatro Estados que terão primárias no próximo dia 4 de março, Hillary destacou que ela tem a experiência necessária para concorrer contra o provável candidato republicano John McCain. "Acredito que vocês são capazes de imaginar o que o senador McCain terá a dizer, que ele nunca foi o presidente, mas que ele irá se valer de sua experiência acumulada ao longo da vida."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.