Hillary e Obama intensificam luta por candidatura

Pesquisa assinala que o senador conta com um respaldo de 48% contra 45% da ex-primeira-dama

EFE

01 de março de 2008 | 00h43

O senador Barack Obama acusou sua rival na disputa pela candidatura presidencial democrata, Hillary Clinton, de aplicar táticas de medo em seus esforços para ganhar as eleições primárias da próxima semana. Em discurso de campanha no Texas, Obama se referiu a um aviso de televisão divulgado nesse estado que mostra imagens de crianças dormindo e pergunta qual dos dois candidatos está mais preparado para responder a uma emergência nacional. O anúncio termina com uma imagem da ex-primeira-dama falando por telefone e um anunciante que diz: "São três da madrugada e suas crianças dormem tranqüilas. Quem o senhor quer que atenda o telefone?". O senador pelo estado de Illinois disse que esse tipo de propaganda não é nada de novo. "É o tipo de aviso que apela para o medo do povo para conseguir votos. Não vai dar certo desta vez porque o problema não é quem atende o telefone, o problema é qual será a reação adequada quando se responder", disse. Em seus últimos discursos de campanha e no último debate que tiveram esta semana os pré-candidatos democratas, Clinton assinalou que Obama é um excelente orador, mas carece de experiência para enfrentar uma crise. Também afirmou que Obama precisaria de um "manual de instruções" para resolver uma emergência nacional. A crítica de Obama à propaganda da campanha de Clinton foi a última série na luta pela candidatura presidencial do Partido Democrata frente as cruciais primárias de terça-feira no Texas, Ohio, Vermont e Rhode Island. O resultado dessas consultas, pelo menos no Texas e Ohio, é crucial para Clinton e uma derrota tornaria virtualmente impossível que seja designada a representante do partido para enfrentar John McCain, o provável candidato republicano, nas eleições presidenciais de novembro. Uma pesquisa da rede de televisão "Fox News" assinalou que Obama conta com um respaldo de 48% contra 45% de Clinton. A pesquisa, que tem uma margem de erro de mais ou menos 4%, foi realizada entre terça e quinta-feira e assinala que o maior respaldo para o senador provém dos eleitores brancos e negros. Para Clinton, seu maior apoio está entre as mulheres, os hispânicos e os eleitores mais velhos, mostra a pesquisa. Em Ohio, Clinton tem uma vantagem de 46% contra 38% para Obama.

Tudo o que sabemos sobre:
Eleições EUA, Obama, Hilary

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.