Hillary não consegue vitória de dois dígitos na Pensilvânia

Dados oficiais confirmam que senadora venceu Obama com vantagem de 9.4 pontos; Hillary apontava 10

Agências internacionais,

23 de abril de 2008 | 17h55

A pré-candidata à Presidência americana Hillary Clinton venceu seu rival Barack Obama nas primárias da Pensilvânia na terça-feira, 22, com 54,6% dos votos, uma vantagem de 9.4 pontos percentuais, segundo dados oficiais do Estado divulgados nesta quarta-feira, 23. A campanha da senadora comemorava uma vitória de dois dígitos, com 10 pontos de vantagem, índice que segundo especialistas era o mínimo necessário para Hillary continuar na disputa diante do crescente avanço de Obama, informou a agência France Presse.   Veja também: Esforço de Hillary na Pensilvânia não garante sucesso Hillary vence Obama nas prévias da Pensilvânia Confira a disputa em cada Estado Conheça a trajetória dos candidatos Cobertura completa das eleições nos EUA     Dos 158 delegados em jogo na Pensivânia, Hillary conquistou 52, enquanto Obama obteve o apoio de 46. Agora, segundo a contagem da rede CNN, a senadora tem o endosso de 1.556 delegados, contra 1.694 de Obama. O candidato democrata precisa de 2.024 delegados para vencer a indicação.   "A maré está mudando", disse a Hillary a seus simpatizantes na Filadélfia. "Algumas pessoas disseram que eu estava fora, mas o povo americano não desiste e eles merecem um presidente que também não desiste", acrescentou.   Obama, no entanto, segue favorito pela indicação democrata. Em seu pronunciamento em Indiana - palco das próximas prévias, em 6 de maio - o senador parabenizou Hillary pela vitória e criticou o virtual candidato republicano, John McCain, por ter políticas de governo próximas às do presidente americano George W. Bush.   Arrecadação   Hillary Clinton, que tem ficado atrás de Obama na arrecadação de fundos, pode receber cerca de US$ 10 milhões nas 24 horas seguintes à vitória no Estado, declarou sua campanha nesta quarta-feira. Logo após as projeções da imprensa confirmarem seu êxito nas urnas da Pensilvânia, Hillary pediu mais doações a sua candidatura.   "A vitória da senadora Hillary Clinton na noite passada mudou a maré e resultou numa grande expansão de apoio popular", disse o diretor da campanha de da senadora, Terry McAuliffe em um comunicado.   O diretor disse que 60 mil doadores contribuíram até o meio-dia desta quarta. Cerca de 50 mil contribuíram pela primeira vez. Hillary levantou US$ 20,9 milhões em março, enquanto Obama arrecadou US$ 42,8 milhões no mesmo mês.   Republicanos   A campanha de McCain não esconde sua satisfação com o prolongamento da disputa democrata entre Obama e Hillary, garantido pela vitória da senadora na Pensilvânia. A corrida pela indicação democrata à Casa Branca deve agora durar pelo menos mais duas semanas. "Sigam seu tempo, não tenham pressa", ironizou Mark Salter, importante assessor de McCain.   Os estrategistas republicanos acreditam que seu candidato se beneficiou do fato de ter liquidado a sua disputa interna já em março, o que lhe deu tempo para arrecadar doações e lançar as bases para a eleição geral de novembro, embora o processo seletivo democrata gere mais manchetes.   O senador se disse "absolutamente neutro" na disputa democrata. "Nunca declarei que eu quisesse que essa eleição (interna) se prolongasse ou não. Isso cabe aos eleitores do Partido Democrata, e não tenho nada a ver com isso."   Assessores do candidato preparam planos para enfrentar qualquer um dos democratas. Um deles, Charlie Black, disse ter examinado ambos e concluído que tanto Obama quanto Hillary serão um páreo duro. "Não considero um mais fácil do que outro", disse Black.  

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.