Hillary quer vitória esmagadora na Virgínia Ocidental

Sem chances de vencer no Estado, Obama centra críticas em McCain; resultado não altera disputa democrata

BBC Brasil,

13 de maio de 2008 | 07h31

Enquanto Hillary Clinton espera obter uma ampla vitória na Virgínia Ocidental capaz de contribuir para a sobrevida de sua campanha, Barack Obama já centra críticas ao republicano John McCain, indicando a sua preparação para se sagrar candidato do Partido Democrata à presidência americana.   Veja também: Vitória de Hillary Clinton não altera disputa democrata Confira a disputa em cada Estado Conheça a trajetória dos candidatos Cobertura completa das eleições nos EUA    Em um comício realizado na cidade de Logan, na Virgínia Ocidental, um dos correligionários da senadora previu que ela poderá obter no Estado a sua maior vitória até o momento na disputa democrata. "Nós temos que dar a ela uma vitória com 80% dos votos contra 20% (de Obama) ou até 90% contra 10%. Vamos chamar a atenção da mídia nacional", afirmou o líder da maioria no Senado estadual, Harry Truman Chafin.   Uma vitória dessas proporções seria maior que o êxito de Hillary em Arkansas, Estado onde ela foi primeira-dama e superou Obama com 70% dos votos contra 25% do senador, em fevereiro.   Segundo a pesquisa mais recente realizada na Virgínia Ocidental, feita pelo instituto American Research Group, Hillary teria uma vantagem de 43 pontos percentuais sobre Obama (66% contra 23% dos votos). Mas analistas acreditam que mesmo que vença por uma diferença esmagadora, a senadora teria escassas chances de reverter a ampla vantagem que Obama tem sobre ela tanto em votos populares como em delegados.   E, desde o sábado, o senador também conseguiu vantagem sobre a rival em relação aos superdelegados - representantes do Partido Democrata que têm liberdade para votar em quaisquer dos dois candidatos na convenção nacional do partido, em agosto. Mas a senadora deu a entender que uma vitória no Estado representa uma espécie de termômetro da preferência nacional americana. "Eu vivo dizendo às pessoas que desde 1916 nenhum democrata chegou à Casa Branca sem que tivesse vencido a Virgínia Ocidental."   Obama x McCain   Em um comício realizado na segunda-feira em Charleston, na Virgínia Ocidental, Obama poupou Hillary e até admitiu provável derrota no Estado. "Estou honrado que muitos de vocês irão me apoiar e compreendo que muitos outros aqui na Virgínia Ocidental provavelmente irão apoiar a senadora Clinton", afirmou.   Dessa vez, as críticas do senador tiveram como alvo o candidato republicano, John McCain. Obama ressaltou que McCain teria deixado de apoiar um projeto de lei defendido por ele que concederia ajuda a veteranos de guerra, a fim de que eles possam custear seus estudos universitários.   "Tenho grande respeito pelos serviços de John McCain a seu país e sei que ele o ama muito e honra aqueles que o servem. Mas ele foi um dos poucos senadores que se opuseram a este projeto de lei porque ele o julga generoso demais."   O discurso de Obama foi realizado no Centro Cívico de Charleston e na platéia havia um grande número de veteranos militares. Para cortejar os ex-soldados e dissipar acusações de antipatriotismo, Obama enfatizou uma mensagem nacionalista e fez críticas à suposta negligência do governo de George W. Bush para com os veteranos.   "Em um período em que estamos recebendo o maior retorno (de militares) desde a Segunda Guerra Mundial, o verdadeiro teste de patriotismo é se nós iremos servir tão bem a nossos heróis que regressam quanto eles serviram a nós", afirmou o senador, seguido de aplausos. A Virgínia Ocidental é um dos Estados americanos que, proporcionalmente, conta com um dos maiores índices nacionais de veteranos militares.   BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.  

Tudo o que sabemos sobre:
eleições nos EUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.