Hillary reforça ataques a Obama em dia de debate decisivo

Pré-candidatos se enfrentam nesta terça, uma semana antes das prévias que senadora precisa vencer

Associated Press e Efe,

26 de fevereiro de 2008 | 11h15

Hillary Rodham Clinton sugeriu que o rival Barack Obama não está preparado para lidar com uma crise global, enquanto ela se prepara para o debate que acontece nesta terça-feira, 26, uma semana antes das prévias decisivas para a sobrevivência de sua candidatura. A pré-candidata precisa vencer nas primárias de Ohio e Texas para se manter na disputa, diante da arrancada de Obama nas últimas semanas.  Veja também:Obama tem mais chances de derrotar McCainFoto de Obama com trajes somalis esquenta disputa democrataGuterman: Hillary acabou? Pense de novo Confira a disputa em cada Estado Conheça a trajetória dos candidatos Cobertura completa das eleições nos EUA  Esperando por uma queda no desempenho de Obama, que venceu todas as prévias que disputou desde a Superterça, realizada no dia 5 de fevereiro, Hillary usou a imagem de um mundo perigoso que precisa de uma liderança dura e inteligente norte-americana. Ela retratou Obama como um inexperiente nas questões de segurança nacional e afirmou que ela poderia garantir aos americanos de que como presidente, ela não precisaria de um "manual de instruções para políticas internacionais". Hillary comparou o rival com o presidente americano, George W. Bush, afirmando que os eleitores já tinham visto o "resultado trágico" de eleger um chefe com pouca experiência em segurança nacional e temas globais. Antecipando as críticas da ex-primeira-dama, os conselheiros de Obama para políticas internacionais afirmaram, antes das palavras de Hillary, que as palavras da senadora de Nova York faziam um julgamento pobre sobre diversos assuntos, incluindo sobre a invasão no Iraque e o apoio para a lei que declarou a Guarda Nacional Iraniana como organização terrorista.  Uma pesquisa de opinião divulgada pela CNN na segunda-feira mostra que Obama e Hillary estão praticamente empatados no Texas. O senador tem 50% dos votos contra 46% de Hillary. A pesquisa tem margem de erro de 3.5 pontos percentuais para mais ou para menos. Ainda segundo pesquisa divulgada pelo jornal The New York Times nesta terça, Obama é considerado por 54% dos eleitores como o candidato que poderia vencer o republicano John McCain na disputa pela Presidência. Apenas 38% apostam na vitória de Hillary sobre o favorito na corrida republicana.  No entanto, o diário advertiu que essas enquetes não predizem o grau de popularidade dos candidatos em cada um dos estados, especialmente Ohio e Texas, que sediarão na próxima terça-feira, dia 4 de março, primárias consideradas fundamentais para a definição da candidatura democrata.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.