Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

John McCain busca solução para crise imobiliária nos EUA

Candidato presidencial republicano sugere reuniões com credores e especialistas para combater crise

Reuters,

25 de março de 2008 | 21h32

Em busca de melhorar sua imagem em assuntos econômicos, o candidato do Partido Republicano à Presidência dos EUA, John McCain, defendeu nesta terça-feira, 25, a realização de reuniões com os credores de hipoteca e especialistas em contabilidade para iniciar o combate à crise do crédito imobiliário enfrentada pelo país.   Veja também: McCain cogitou mudança para o Partido Democrata, diz NYT Confira a disputa em cada Estado Conheça a trajetória dos candidatos Cobertura completa das eleições nos EUA  McCain, que muitos críticos qualificam de fraco em economia, disse estar aberto a uma variedade de soluções para diminuir os problemas no mercado imobiliário americano, mas não falou especificamente sobre uma medida a ser adotada imediatamente. "Não vou me servir da crise no mercado hipotecário para meu benefício político. Vou avaliar tudo a fim de descobrir se uma medida seria benéfica ou maléfica quando se trata de enfrentar a crise com que nos deparamos agora", afirmou McCain, senador pelo Estado do Arizona, no texto de um discurso a ser proferido para empresários em Santa Ana, na Califórnia.  "Vou avaliar todas as propostas com base na sua relação de custo e benefício. Nesta crise, como em todas as outras que enfrentarei no futuro, não vou permitir que um dogma suplante o bom senso", disse. McCain tem assegurada a indicação do Partido Republicano para disputar eleição presidencial de novembro, quando enfrentará ou Barack Obama ou Hillary Clinton. O republicano concentra seus esforços agora em angariar apoio e recursos para a futura disputa com o adversário democrata. Democratas acusaram McCain de saber menos sobre economia do que sobre questões de política internacional e de segurança nacional, sendo assim uma opção arriscada neste momento em que os EUA se deparam com uma crise na economia. O candidato ouviu críticas semelhantes dos republicanos que também concorriam à vaga do partido no pleito presidencial.   Para afastar essa impressão, McCain abordou no texto do discurso os problemas enfrentados pelo mercado imobiliário dos EUA e disse que não daria apoio a medidas capazes de favorecer os que agiram "de forma irresponsável" ao alimentar a crise. O republicano afirmou ainda que o governo poderia fazer duas coisas imediatamente - reunir em encontros separados os profissionais de contabilidade e os credores das hipotecas para discutir soluções em vista da crise.   O texto do discurso de McCain apareceu um dia depois de Hillary ter sugerido um plano para diminuir a instabilidade no mercado imobiliário dos EUA. A pré-candidata e Obama vêm competindo para ver quem oferece a imagem de líder mais confiável diante de uma economia que ameaça entrar em recessão.

Tudo o que sabemos sobre:
Eleições nos EUAJohn McCain

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.