John McCain diz que Hamas apóia Obama para presidente

E-mail enviado a partidários do senador diz que política externa de Obama foi elogiada pelos líderes palestinos

25 de abril de 2008 | 18h40

A campanha do candidato republicano à Presidência americana John McCain enviou e-mails para seus partidários dizendo que o grupo palestino Hamas aprovaria a política do pré-candidato democrata Barack Obama, e estaria esperando sua vitória nas eleições americanas. "A política externa de Obama foi elogiada pelos líderes do Hamas", afirmou na mensagem um agente da campanha do senador republicano, Christian Ferry, segundo a rede CNN.   Veja também: McCain critica 'terrível reação' de Bush aos estragos do Katrina Confira a disputa em cada Estado Conheça a trajetória dos candidatos Cobertura completa das eleições nos EUA    "Ahmed Yousef, chefe político e conselheiro do primeiro-ministro do Hamas, disse 'nós gostamos de Obama e esperamos que ele vença a eleição; ele tem uma visão para mudar a América'", acrescenta.   O e-mail de arrecadação de fundos de McCain diz ainda que as posições de Obama lhe trouxeram as "palavras gentis" do Hamas. "A política externa de John McCain têm um forte contraste com a de Obama", diz a mensagem. "Enquanto o senador Obama poderá render o Iraque e manter conversas com o regime iraquiano, McCain nunca irá se render na luta contra os extremistas islâmicos. Por favor, entre na nossa campanha hoje fazendo uma generosa doação de US$ 50, US$ 100, US$ 250, US$ 500, US$ 1.000 ou US$ 2.300."   Em resposta aos comentários de McCain sobre a posição do senador democrata em relação ao encontro do ex-presidente americano Jimmy Carter com o Hamas - quando o republicano disse que "Obama não tem experiência para fazer um julgamento certo sobre como negociar com organizações terroristas, obviamente" -, a campanha de Obama reafirmou que o candidato Democrata não pode condenar a decisão do ex-presidente.   Um partidário de Obama, Robert Wexler, respondeu o e-mail de McCain nesta sexta-feira. "John McCain gosta de falar sobre a campanha civil que ele planeja para a corrida e hoje estava engajado num tipo de política vergonhosa e cínica que ele finge rejeitar - tudo por uma impulsiva e persuasiva campanha de dólares", diz a mensagem.   "Nós pedimos que o senador McCain rejeite esse tom ultrajante e embaraçoso e junte-se a Obama no desejo de uma América unida, na sua determinação de isolar o Hamas e no apoio de nosso aliado Israel", acrescentou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.