John McCain retira declarações sobre o Iraque

Republicano afirmou que poderia perder o pleito se não convencesse os americanos de uma vitória no país

Efe,

26 de fevereiro de 2008 | 04h37

O senador John McCain, favorito para obter a indicação presidencial republicana para as eleições presidenciais americanas de novembro, negou nesta segunda-feira, 25, declarações anteriores nas quais havia dito que poderia perder o pleito se não convencesse os americanos de uma vitória no Iraque. "Não quis dizer que vou perder. Assinalei somente que se trata de um tema importante para os eleitores americanos. Não é freqüente que me retrate", indicou. A popularidade do presidente George W. Bush atingiu seu nível mais baixo devido às críticas da população quanto a maneira como lidou com esse conflito. Por sua parte, os pré-candidatos democratas, os senadores Barack Obama e Hillary Clinton, afirmaram que planejam ordenar a retirada das tropas americanas no Iraque caso cheguem à Casa Branca. McCain disse em seus discursos de campanha que uma retirada militar prematura do país constituiria uma "rendição", e daria aos extremistas uma vitória propagandística. O senador também foi criticado por ter se mostrado favorável a manter as tropas americanas pelo tempo que for necessário, e previu que a situação melhorará uma vez que as forças iraquianas assumam mais funções de segurança. "Teremos êxito no Iraque, e os iraquianos assumirão suas responsabilidades", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.