MARK RALSTON/AFP PHOTO
MARK RALSTON/AFP PHOTO

Larry Flynt oferece US$ 10 milhões pelo impeachment de Trump

'Rei do pornô' publicou anúncio ofecerendo a quantia a quem tiver informações que ajudem a derrubar o presidente americano

EFE, O Estado de S.Paulo

16 Outubro 2017 | 04h05

Larry Flynt, conhecido como o "rei do pornô" americano, publicou ontem um anúncio de página inteira no  jornal Washington Post oferecendo US$ 10 milhões em dinheiro para quem oferecer informações que levem ao impeachment do atual presidente americano, Donald Trump.

Flynt, criador da revista Hustler e produtor de filmes pornográficos desde 1998, diz considerar que a eleição de Trump foi ilegítima, por conta de suas "confabulações" com a inteligência russa — assunto que ainda está sendo investigado pelo conselheiro especial Robert Muller.

O anúncio lista motivos para pedir a destituição de Trumo, como "conspirar com um poder estrangeiro para influenciar as eleições", "contar centenas de mentiras" e exercer um "nepotismo grosseiro", nomeando pessoas sem qualificação para importantes cargos do governo.

Flynt também acusa Trump de "comprometer a política interna e externa do país com conflitos de interesse de seu grande império comercial", além de "incitar a violência racial", com sua defesa excessiva dos supremacistas brancos em Charlottesville (Virgínia), onde uma mulher morreu após ser atropeloada por neonazistas em agosto.

"O impeachment será um assunto  complicado e contencioso, mas a alternativa — mais tres anos disfunção desestabilizadora — é pior", diz o anúncio. Para o publisher, expulsar Trump deveria ser o "dever patriótico"  de todos os americanos, "antes que seja tarde demais". Ele declarou que, com o anúncio, espera obter informações em poucos dias. 

Não é a primeira vez que Flynt oferece dinheiro para tentar derrubar algum personagem da política. Em 2007, publicou um anúncio no mesmo jornal, oferecendo um milhão de dólares para quem tivesse tido um encontro sexual com algum membro do congresso e estivesse disposto a contar. Em 2012, também no Post, ofereceu a mesma quantia para quem tivesse informações sobre o imposto de renda do candidato republicano Mitt Romney, que se negava a divulgar todo o conteúdo de suas finanças.

Em 2003 Flynt foi candidato a governador da California, pelo partido democrata. Em 2016, apoiou a candidata Hillary Clinton, do mesmo partido. O publisher é um personagem polêmico, que jamais escondeu seus ideiais liberais. Seu livro "Sex, Lies and Politics: The Naked Truth" ("Sexo, Mentiras e Política: a verdade descoberta"), publicado em 2004 criticava duramente o governo de George W. Bush (2001-2009) por supostamente "violar as liberdades dos americanos". 

Desde 1978, Flynt, hoje com 74 anos, vive em uma cadeira de rodas, após ter sido baleado por um supremacista branco contrário à suas  publicações pornográficas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.