Lula pede que Obama retire sanções dos EUA a Cuba

'Retirar bloqueio que não tem mais sentido é primeiro passo para início de transição na ilha', diz presidente

Efe,

13 de novembro de 2008 | 14h46

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva pediu ao líder eleito dos Estados Unidos, Barack Obama, que retire o embargo unilateral de seu país sobre Cuba, para favorecer a mudança de regime político na ilha caribenha. "Retirar um bloqueio que não tem mais sentido é o primeiro passo para favorecer o início de uma transição sobre a ilha", afirma Lula, em entrevista publicada nesta quinta-feira, 13, pelo jornal La Repubblica e que o presidente brasileiro concedeu na quarta-feira a alguns meios de comunicação italianos em Roma.   Veja também: Fidel diz que Obama errará se persistir com bloqueio a Cuba Sanções a Cuba devem ser abrandadas por Obama, diz WSJ Principais desafios de Obama Nomes cotados para o gabinete de Obama Quem são os eleitores de Obama   Trajetória de Obama  Cobertura completa das eleições nos EUA   "Obama tem a força e a autoridade política para mudar as relações entre Cuba e Estados Unidos", acrescenta Lula, que na terça-feira falou com Obama por telefone. O presidente, que termina nesta quinta sua viagem oficial à Itália e ao Vaticano, com uma audiência com o papa Bento XVI, acredita que Obama enfrentará de um modo novo não só as relações externas dos Estados Unidos, mas também o conflito no Oriente Médio.   "É tamanha a perspectiva criada no mundo todo em torno destas eleições americanas, e é tamanho o significado histórico da entrada de um político de origem afro-americana na Casa Branca, que Obama não pode falhar, e como parece uma pessoa bem inteligente, acho que não falhará", diz Lula. O presidente brasileiro espera que Obama realize nos EUA uma política econômica que favoreça os mais pobres e as classes médias, e que redistribua a riqueza econômica do país.

Tudo o que sabemos sobre:
Barack ObamaLulaeleições nos EUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.