McCain apresenta propostas para crise habitacional americana

Republicano mostrou propostas para ajudar mutuários inadimplentes, cuja abrangência foi criticada pelos rivais

Reuters,

10 de abril de 2008 | 19h16

O candidato republicano à Presidência dos Estados Unidos, John McCain, apresentou nesta quinta-feira, 10, propostas ajudar mutuários inadimplentes, cuja abrangência foi criticada pelos rivais democratas. McCain propôs um sistema que permitiria a troca dos financiamentos contraídos a partir de 2005 com juros variáveis, mais onerosos, por um empréstimo de 30 anos.  Veja também:Condoleezza Rice descarta ser vice na chapa de McCainDemocratas não cumprirão promessa sobre Iraque, diz McCainConfira a disputa em cada Estado Conheça a trajetória dos candidatos Cobertura completa das eleições nos EUA  "Isso oferece a cada família ou mutuário norte-americano que mereça a oportunidade de trocar um hipoteca onerosa por um empréstimo administrável, que reflete o valor de mercado da sua casa", disse McCain em discurso sobre temas econômicos no Brooklyn, em Nova York. "Meu plano segue o princípio sensato de que, quando os mercados declinam dramaticamente, as dívidas devem ser reestruturadas."  A campanha republicana estima que o plano de McCain custaria entre US$ 3 bilhões e US$ 10 bilhões aos cofres públicos. Os credores receberiam garantias federais de pagamento das dívidas. Há crescente pressão política por uma intervenção incisiva do governo no mercado imobiliário, cuja crise leva o país rumo a uma recessão e ameaça também o crescimento global. McCain rejeitou as críticas dos seus rivais democratas, Barack Obama e Hillary Clinton, a respeito de seus conhecimentos econômicos.  "Conheço a economia melhor que a senadora Clinton e o senador Obama", disse McCain, valendo-se de sua maior experiência parlamentar, em entrevista à rede ABC. Obama disse que as propostas de McCain são muito parecidas com as do presidente George W. Bush, "sentar e esperar que isso passe, enquanto famílias enfrentam despejos e assistem a uma erosão no valor das suas casas".  "Estou feliz que ele tenha finalmente decidido oferecer um plano. Antes tarde do que nunca", disse o senador, fazendo campanha em Indiana. "Mas não espero respostas reais. Não espero que realmente ajude as famílias em dificuldades".  Resposta Democrata Obama propõe a criação de um fundo de US$ 10 bilhões para ajudar mutuários endividados a reestruturar suas dívidas ou a vender móveis de suas posses. A campanha de McCain disse ser contra essa ajuda oficial. "Ao contrário do senador Obama, John McCain não acredita que assinar cheques com o dinheiro alheio seja a solução para todos os problemas", disse Tucker Bounds, porta-voz do candidato governista.  Em nota, Hillary disse que o plano de McCain é "uma versão requentada e de má vontade" de propostas que o senador antes criticava. "Então agora ele mudou de posição e finalmente está respondendo a uma crise habitacional que está aí há meses, mas infelizmente suas ações são apenas meias medidas", disse a senadora.  Nesta semana, Bush propôs ampliar um programa do governo que ajuda mutuários, mas a bancada democrata no Congresso tenta aprovar um plano mais amplo, o que deve gerar um duelo parlamentar sobre a crise do mercado habitacional.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.