McCain comete gafe em discurso e diz que 'vetará cervejas'

Senador confunde 'bill' (projeto de lei, em inglês) com 'beer' (cerveja) ao defender a redução dos impostos

AP e Reuters,

10 de junho de 2008 | 14h40

O candidato republicano à Presidência americana John McCain cometeu uma gafe durante um discurso em Washington nesta terça-feira, 10, trocando a palavra 'bill' (projeto de lei, em inglês) por 'beer' (cerveja). "Eu usarei o veto quando necessário. Vetarei cada cerveja, digo, lei", disse o senador por Arizona, ao discursar sobre a redução dos impostos para as empresas e trabalhadores de classe média durante a reunião da Cúpula Nacional dos Pequenos Negócios, informou a rede CNN.   Veja também:  Veja o vídeo da gafe  John McCain diz que usa o Google para escolher seu vice Obama apresenta política econômica e ataca McCain Possíveis vice-candidatos para McCain Obama x McCain  Conheça a trajetória dos candidatos Cobertura completa das eleições nos EUA    Após a gafe, McCain continuou seu pronunciamento. Tanto o senador quando o candidato democrata Barack Obama têm se aprofundado na questão da economia americana em seus últimos discursos, uma das principais preocupações do eleitorado. Na segunda, Obama apresentou sua plano econômico e criticou o rival, dizendo que sua política é um 'endosso' ao presidente George W. Bush.   McCain, por sua vez, disse nesta terça que o plano de Obama para aumentar impostos prejudicaria os pequenos negócios, vitais para a economia americana, além de retardar o crescimento no número de postos de trabalho.   "Vocês trabalham duro em pequenos negócios para crescer e criar novos empregos e oportunidades para outros", disse McCain. "O governo federal não deveria tornar seu trabalho mais difícil."   McCain chegou a ouvir gritos de algumas pessoas que disseram que a guerra no Iraque atrapalhava os pequenos negócios. A intervenção foi vaiada e ele aproveitou para pedir um "debate civilizado" durante a campanha.

Mais conteúdo sobre:
John McCaineleições nos EUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.