McCain critica política de Obama para o Oriente Médio

Para republicano, candidato democrata errou ao traçar políticas para a região sem nunca ter estado lá

Efe,

19 de julho de 2008 | 12h54

 O candidato republicano à Presidência dos Estados Unidos, John McCain, criticou hoje o adversário democrata, Barack Obama, por anunciar a estratégia para o Iraque e o Afeganistão antes de viajar para os países para conhecer a situação no terreno. Obama chegou neste sábado (19) no Afeganistão, mas deu declarações sobre política interna para a região na última terça-feira (15). No Afeganistão, o candidato democrata deve se reunir com o presidente afegão, Hamid Karzai, e com os generais e as tropas americanas destacadas nesse país.   "Aparentemente, ele confia suficientemente em que não encontrará fatos que poderiam fazer com que mudasse de opinião ou alterasse sua estratégia. Surpreendente", disse McCain.   Em 15 de julho, o senador por Illinois reiterou sua intenção de retirar as tropas americanas do Iraque em um prazo de 16 meses se vencer as eleições, e insistiu em que após conseguir esse objetivo,irá se concentrar em lutar contra a organização terrorista Al Qaeda e a insurgência talibã no Afeganistão.   De acordo com McCain, o fato de Obama ter revelado sua estratégia militar para esses dois países antes de pisar na região é um "erro similar ao que cometeu quando declarou que o aumento de tropas no Iraque não reduziria a violência sectária e poderia aumentar a violência".   "Ele estava tão seguro de que o aumento de tropas seria um fracasso que propôs que as forças voltem o mais rápido possível para casa", ressaltou o candidato presidencial republicano.   Depois, segundo McCain, a campanha de Obama apagou "rapidamente" do site as declarações do senador por Illinois, "em uma tentativa de que ninguém notasse; mas todos lembramos que disse que o aumento de tropas fracassaria e hoje sabemos que não teve razão", disse.   O candidato republicano disse que, apesar de a situação no Iraque ter "melhorado muito", a guerra no Afeganistão experimentou um "giro negativo que deve ser revertido rapidamente". "Foi o aumento de tropas no Iraque que nos mostrou o caminho para a vitória sobre os taleban", disse McCain.   A estratégia de McCain no Afeganistão é fornecer aos generais destacados no país "as tropas das quais necessitam", que seriam pelo menos três brigadas adicionais.Esse aumento seria feito com mais soldados das forças da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) e dos Estados Unidos. No entanto, McCain entende que esta estratégia não é suficiente para enfrentar os graves problemas no Afeganistão.   "Precisamos no Afeganistão exatamente do que o general David Petraeus fez no Iraque: De uma campanha civil-militar em nível nacional que se centre em fornecer segurança à população ali".   O candidato republicano pretende dobrar o número de tropas afegãs, até 160 mil unidades, de modo que o Afeganistão possa proporcionar segurança a seus cidadãos por si só. McCain propõe que as tropas americanas façam mais incursões no sul do país, onde se concentra a insurgência taleban.   Outro pilar da estratégia do candidato presidencial republicano no Afeganistão é fortalecer as áreas fronteiriças no Paquistão, onde, segundo os EUA, se escondem os terroristas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.