McCain encerra campanha com 'maratona' de 22 horas

Últimas pesquisas colocam o republicano de 8 e 13 pontos atrás do democrata Barack Obama

Efe,

04 de novembro de 2008 | 01h08

O candidato republicano John McCain, de 72 anos, embarcou nesta segunda-feira, 3, em uma "maratona" de 22 horas com comícios em sete estados, em sua última tentativa de alterar as previsões das pesquisas, que prevêem sua derrota nas eleições presidenciais dos Estados Unidos. Veja também:McCain pede que eleitores lutem e não percam esperançaObama lidera em seis de oito Estados-chave nos EUAEstadao.com.br na terra dos ObamasDiário de bordo da viagem ao Quênia Confira os números das pesquisas nos EstadosObama x McCain Entenda o processo eleitoral  Cobertura completa das eleições nos EUA "Sou americano e decidi lutar", disse McCain em vários dos comícios que encerraram sua campanha, nos quais insistiu em suas promessas de criar mais empregos e reduzir o preço da energia. Em uma "maratona" que deixaria exausto até mesmo alguém com a metade de sua idade, McCain cruzou o país com comícios na Flórida, Tennessee, Pensilvânia, Indianápolis, Novo México, Nevada e Arizona. O dia do republicano, que se vencer as eleições se transformará no presidente mais velho a chegar à Casa Branca, começou às 5h30 locais na Flórida, e acabará às 3h30 locais de terça-feira, pouco antes da abertura dos primeiros colégios eleitorais nos EUA. Seu principal adversário, o democrata Barack Obama, de 47 anos, teve um dia menos intenso, de 14 horas, com comícios na Flórida, Carolina do Norte e Virgínia. Durante o encerramento de sua campanha, McCain mostrou muito vigor e energia, apesar das preocupações que alguns eleitores possam ter sobre seu estado de saúde, já que no passado sofreu com um câncer de pele que deixou várias cicatrizes em seu rosto. O candidato republicano se cercou de personalidades que podem lhe ajudar no momento de conquistar votos em diferentes setores, como a cubana Albita, de grande apelo entre os hispânicos, e o senador Joe Lieberman, que tem muita influência entre os independentes. McCain está fazendo um grande esforço de última hora para reverter o resultado previsto nas pesquisas, e que lhe deixam entre de 8 e 13 pontos atrás de Obama. "Não percam a esperança, sejam fortes. Tenham a coragem de lutar. Lutem para dar uma nova direção a este país. Lutem pelo que é o melhor para os Estados Unidos", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.